conecte-se conosco

Policia

Vendedor de abacaxis é executado na Ponte da Aldeia, em Manhuaçu MG .

Avatar

Publicado

em

O vendedor de abacaxis Raphael da Costa Rezende, 21 anos, foi executado por volta 20h30, desta quarta-feira, 14/11, dentro de uma lanchonete às margens da BR 262, no Bairro Ponte da Aldeia, em Manhuaçu.

Raphael era vendedor de abacaxis em Manhuaçu. Ele retornou de Marataízes (ES) na última quinta-feira.

Imagens das câmeras de segurança mostram a vítima sentada numa das mesas na porta da lanchonete. Um veículo Corsa Classic, de cor branca, placa FHF-5171/Colatina(ES) parou um pouco adiante.

O motorista Oziel Marvila Cassimiro, 47 anos, ficou esperando com o carro ligado, enquanto o outro Marcelo do Amaral do Nascimento, 36 anos, desembarcou. O homem estava com uma camisa cobrindo o rosto e vestido de terno e gravata. Ele tirou a arma do palitó, chegou ao lado de Raphael e fez oito disparos no rosto dele. Foram cinco segundos, conforme o vídeo da lanchonete.

Após o crime, Marcelo correu para o carro e o motorista saiu em alta velocidade pela BR-262.

Equipes da Polícia Militar foram acionadas e iniciaram o rastreamento. Em Martins Soares, cerca de meia hora depois, a PM conseguiu cercar e prender os dois envolvidos. Eles são do Espírito Santo e a motivação do crime estaria relacionada a desavenças anteriores entre os envolvidos.

A perícia da Polícia Civil esteve no local e fez os levantamentos para o laudo do crime.

MOTIVAÇÃO

O acusado Oziel Marvila Casimiro, de 47 anos, informou à polícia que no último dia 2 deste novembro, ele se envolveu em uma confusão no município de Itapemirim, no sul do Estado, que teria resultado no assassinato de um amigo de Raphael. Segundo o suspeito, a partir de então, Raphael e outros amigos estariam ameaçando a família de Oziel, dizendo que pagariam com a vida.

Ainda em depoimento à polícia, Oziel disse que foi até o município de Vitória e comprou a arma utilizada no crime pelo valor de R$ 6,5 mil, além de 14 munições no valor de R$ 12. Segundo o suspeito dos disparos, Marcelo do Amaral do Nascimento, de 36 anos, ele cometeu o crime para ajudar o amigo Oziel e não recebeu nenhuma quantia em dinheiro pela ação.

Oziel contou que, por volta das 16h, Marcelo esteve com Raphael comprando abacaxis. A partir de então, o suspeito da execução começou a monitorar a vítima e esperar o momento certo para cometer o crime, que aconteceu por volta das 21h.

A PM informou que, em contato com a Polícia Militar do Espírito Santo (PMES), descobriu que Marcelo possui várias passagens por roubo e outros crimes violentos, e que Raphael também tinha passagens por homicídio e tráfico de drogas.

 

Fonte: Portal caparaó com informações da Folha Vitória

Brasil

Caminhão de frango tomba próxima a entrada da cidade de São Pedro dos Ferros

Caminhão de frango tomba em São Pedro dos Ferros

Vinicius Silva

Publicado

em

Na manha de hoje dia 19-05-2020 proximo a entrada da cidade chegada da zona rural conhecida como ponte do matadouro tombou um caminhão de frango vivo que ia para o Frigrorifico Fraboom. Nao ouve informação de feridos ate o momento. A policia esteve no local e foi feito baudiamento da carga sem tumulto.

Abaixo fotos de grupos de watsap.

Continue lendo

Brasil

TCU determina que militares devolvam valor do auxílio emergencial recebido de forma indevida

TCU) determinou que os militares que receberam os R$ 600 do auxílio emergencial

Vinicius Silva

Publicado

em



O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que os militares que receberam os R$ 600 do auxílio emergencial de forma irregular devolvam o valor. Segundo despacho, o ressarcimento deve ser imediato com adoção de previdências necessárias pelo Ministério da Defesa, inclusive com a retenção do valor na folha de pagamento.

Ao ser referendada no plenário do TCU na noite desta quarta-feira (13), a cautelar obrigou o governo a colocar o nome de todos os beneficiários do auxílio emergencial no Portal da Transparência. O governo tem 15 dias para publicar os nomes de quem já recebeu o benefício. Até 30 de abril, 50,52 milhões de pessoas foram consideradas aptas a receber o benefício.

O TCU ainda determina, cautelarmente, aos ministérios da Defesa e o da Cidadania que, caso os ressarcimentos não tenham ocorrido até a data de fechamento da folha de pagamento do mês de maio, via Guia de Recolhimento da União (GRU), que seja realizada retenção no mesmo valor recebido pela pessoa que integra a folha, seja ela militar ativo, inativo ou pensionista. Ainda, é necessário impedir que novos militares realizem o cadastro, cancelar os cadastros admitidos, de modo a evitar a continuidade de pagamentos ilegais.

Ao Ministério da Cidadania, foi exigido que, em cinco dias, informe se foi identificada a existência servidores civis federais, estaduais e municipais entre os beneficiários do auxílio emergencial e, dentro de dez dias, implemente mecanismo simplificado de ressarcimento de valores envolvidos em pagamentos indevidos do auxílio emergencial em conjunto com o Ministério da Economia.

O despacho informa que a soma dos pagamentos indevidos somam, pelo menos, R$ 43,9 milhões.

De acordo com parágrafo 5º, do artigo 2º, da lei 13.982/2020, são considerados empregados formais os agentes públicos, independentemente da relação jurídica, inclusive os ocupantes de cargo ou função temporários ou de cargo em comissão de livre nomeação e exoneração e os titulares de mandato eletivo.

Segundo o governo, 73,2 mil militares ativos inativos, de carreira, temporários, pensionistas, dependentes e anistiados receberam o auxílio. Na terça-feira (12), o Ministério da Defesa divulgou uma nota na qual informou que as Forças Armadas analisam caso a caso de militares que receberam o auxílio.

“Os Ministérios da Defesa (MD) e da Cidadania (MC) informam que, dos quase 1,8 milhão de CPFs constantes da base de dados do MD, 4,17% (73.242) receberam o auxílio emergencial concedido pelo Governo Federal. Isso inclui militares (ativos e inativos, de carreira e temporários), pensionistas, dependentes e anistiados”, informou o ministério em nota. “Assim que o Ministério da Defesa e o Ministério da Cidadania fizeram o cruzamento de dados e identificaram a possibilidade de eventuais recebimentos indevidos, os Comandos das Forças Armadas foram acionados para apurar possíveis irregularidades”, acrescentou a pasta.

A Caixa Econômica Federal, que faz o pagamento do auxílio, informou que faz a operação somente após a validação dos dados dos cidadãos pelo próprio governo.

Fonte: g1.globo.com

Continue lendo
Publicidade

Facebook

Siga-nos

Publicidade

Mais lidas