conecte-se conosco

Geral

Queijo Minas Artesanal é destaque em concurso nacional

Avatar

Publicado

em

O resultado do 3º Prêmio Queijo Brasil, realizado recentemente, no Memorial da América Latina, em São Paulo, mais uma vez provou a excelência do queijo produzido em Minas Gerais e o quanto está sendo valorizado também fora do estado.

Dos 317 queijos premiados pelo concurso em todo o país, quase 50%, ou 156 deles, foram fabricados em Minas Gerais. Desses, vale destacar a premiação do típico Queijo Minas Artesanal, produzido com leite cru, em sete regiões caracterizadas no estado e assim nomeadas: Araxá, Canastra, Campo das Vertentes, Cerrado, Serra do Salitre, Serro e Triângulo Mineiro.

A maioria dos produtores premiados é atendida pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) e pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), órgãos vinculados à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).

É o caso, por exemplo, do produtor Reinaldo Lima, de Araxá. Como outros mineiros participantes do concurso nacional, Lima teve o seu produto agraciado, conquistando na categoria que concorreu, o Ouro e o Super Ouro da premiação nacional.

Para produzir um dos queijos favoritos na competição, ele contou com a ajuda da esposa e de dois funcionários. Segundo ele, tudo começou com a produção de iogurte. Aos poucos resolveu investir no queijo com a produção de dez peças por dia. Hoje, a produção diária é de 50 queijos.

Além de concursos regionais, ele também venceu o concurso popular do Festival do Queijo Minas Artesanal, realizado no início de agosto, em Belo Horizonte, e o Concurso Estadual de Queijo Minas Artesanal, promovido pelo Governo do Estado durante o Festival Gastronômico de Tiradentes, no final do mesmo mês.

“A gente faz um trabalho árduo durante o ano inteiro. Quando ganha um concurso, é um reconhecimento do nosso trabalho. O segredo do nosso queijo é muita dedicação e higiene no processo de produção”, costuma resumir o produtor de Araxá.

Qualidade e novos mercados

A qualidade na produção do Queijo Minas Artesanal vem progredindo e abrindo mais mercados em Minas Gerais e em outros estados, como afirma a coordenadora técnica estadual da Emater-MG, Maria Edinice Rodrigues.

“Os produtores hoje vêm se adequando, buscando melhorar a sua produção, com maior valor agregado, em grandes redes de supermercados. Um caso específico é a parceria feita com o Verdemar e hoje temos 14 produtores comercializando nas lojas dessa rede de Belo Horizonte. Também no município de Medeiros, produtores com o Sisbi-Poa (Sistema Brasileiro de Inspeção de Produção de Origem Animal), selo do Ministério da Agricultura, já comercializam em São Paulo e no Paraná. E temos outros produtores comercializando fora. Temos uma produção de Queijo Minas Artesanal que poderia abastecer outros mercados, além de Minas Gerais”, conclui.

 

Com informações da Agência Minas

Continue lendo
Publicidade

Brasil

Segunda vítima do novo coronavírus em Minas morreu três dias depois da internação, diz hospital

O homem de 66 anos tinha cardiopatia e diabetes. Minas Gerais tem 275 casos confirmados.

Vinicius Silva

Publicado

em



Minas Gerais tem 275 casos confirmados da doença — Foto: Getty Images

 

O homem de 66 anos tinha cardiopatia e diabetes. Minas Gerais tem 275 casos confirmados.

O homem de 66 anos que morreu vítima do novo coronavírus em Belo Horizonte ficou três dias internado. De acordo com o Hospital Semper, ele chegou na última sexta-feira (27) em estado grave e foi direto para o Centro de Tratamento intensivo (CTI).

O paciente, que não teve o nome divulgado, tinha cardiopatia e diabetes. Ainda segundo o hospital, todo o protocolo de tratamento da covid-19 foi seguido, mas ele não resistiu e morreu nesta segunda-feira (30).

Esta foi a segunda morte por novo coronavírus confirmada em Minas Gerais pela Secretaria de Estado de Saúde.

O homem ficou em isolamento durante todo o período em que esteve na unidade. O número de leitos do Semper, que é um hospital particular, passou de 30 para 48 na tentativa de atender os pacientes com covid-19.

Minas Gerais tem 275 casos confirmados da doença e 34.224 casos suspeitos. Além disso, outras 40 mortes estão em investigação no estado.

Coronavírus: infográfico mostra principais sintomas da doença — Foto: Foto: Infografia/G1

Coronavírus: infográfico mostra principais sintomas da doença — Foto: Foto: Infografia/G1

Fonte: https://g1.globo.com/



Continue lendo

Brasil

Casos de coronavírus no Brasil em 31 de março

5.812 infectados em todos os estados e 202 mortos.

Vinicius Silva

Publicado

em



Secretarias estaduais de saúde contabilizam 5.812 infectados em todos os estados e 202 mortos.

As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 22h00 desta terça-feira (31), 5.812 casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil.

O governo do Amazonas confirmou a terceira morte no estado e em Minas Gerais constatada a segunda morte pela doença. A primeira morte também foi confirmada em Alagoas. No começo da tarde, a Paraíba confirmou a primeira morte. O Distrito Federal registra três casos fatais da Covid-19 e o Mato Grosso do Sul teve seu primeiro caso. Pernambuco confirmou sete mortes. Com isso, chega a 202 o número de mortos pela Covid-19 no país. São Paulo registra 136 mortes e o Rio de Janeiro tem 23 casos fatais da doença.

O governo do Pará também atualizou os números nesta manhã e agora são 32 casos da doença no estado. Minas Gerais tem 275 casos confirmados e subiu para 10 o número de casos no Amapá. O governo de Sergipe confirmou mais dois casos nesta terça e Pernambuco chegou aos 87 casos confirmados.

O Rio Grande do Sul atualizou o número de casos para 305. Goiás chegou a 65 casos e o Rio Grande do Norte tem 82 infectados pela doençaBahia tem 217 casos confirmados, o Distrito Federal tem 333 e Santa Catarina registra 235 casos.

Ministério da Saúde atualizou seus números nesta terça-feira (31), informando que o Brasil tem 201 mortes e 5.717 casos confirmados de coronavírus.

O avanço da doença está acelerado: foram 25 dias desde o primeiro contágio confirmado até os primeiros 1.000 casos (de 26 de fevereiro a 21 de março). No entanto, os outros 2.000 casos foram confirmados em apenas seis dias (de 21 a 27 de março).

Fonte: https://g1.globo.com/



Continue lendo
Publicidade

Facebook

Siga-nos

Publicidade

Mais lidas