Connect with us

Saúde

Por que os antidepressivos causam apatia em algumas pessoas – Notícias

Avatar photo

Publicado

em


Medicamentos antidepressivos de uma das classes mais usadas, os ISRSs (inibidores seletivos da recaptação de serotonina), também podem provocar em um grande percentual de pacientes um efeito chamado de “embotamento” ou “adormecimento” emocional. Agora, cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, e da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, conseguiram explicar por que esse comportamento acontece.


Essa categoria de remédios inclui sertralina, escitalopram, citalopram, fluoxetina, fluvoxamina e paroxetina. São drogas que têm como alvo a serotonina, um importante neurotransmissor cerebral. O objetivo é melhorar a conexão entre os neurônios.


Não é de hoje que esse tema é motivo de estudos científicos. Em 2004 o psiquiatra e pesquisador William Jason Barnhart, publicou um artigo sobre síndrome da apatia induzida por ISRS no Journal of Psychiatric Practice.


“Sem dúvida, se por um lado os ISRSs são muito eficazes na melhoria de alguns sintomas negativos e debilitantes da depressão, por outro, parecem amortecer algumas emoções gratificantes e alegres”, escreveu.


O que se tenta entender é o mecanismo por trás dessa apatia, que pode afetar entre 40% e 60% dos indivíduos em uso dessa classe de antidepressivos.


Para o estudo, publicado neste domingo (22) na revista científica Neuropsychopharmacology, os pesquisadores da Inglaterra e da Dinamarca recrutaram 66 indivíduos saudáveis, sendo que 32 deles tomaram escitalopram e outros 34 receberam placebo, sem que ninguém soubesse o que estava tomando.


Passadas cerca de três semanas, os voluntários tiveram que responder questionários de autorrelato, além de fazerem testes para avaliar funções cognitivas, como aprendizado, inibição, função executiva, comportamento de reforço e tomada de decisão.


Os pesquisadores não acharam diferenças significativas entre os dois grupos no quesito cognição “fria”, que envolve atenção e memória. Também não houve alterações e na cognição “quente”, que envolve emoções.


Por outro lado, eles perceberam que o grupo que tomou escitalopram teve redução da sensibilidade ao reforço, que é a forma como aprendemos com o feedback de nossas ações e do ambiente.


No teste realizado, o grupo do escitalopram se mostrou menos propenso a usar o feedback positivo e negativo para orientar o aprendizado da tarefa.


Os autores do estudo entendem que isso sugere que a droga afetou a sensibilidade dos voluntários às recompensas e a capacidade deles de responderem de acordo.


Os questionários de autorrelato também evidenciaram que os participantes que tomaram o antidepressivo tiveram mais dificuldade em atingir o orgasmo durante o sexo, um efeito colateral frequentemente descrito por quem toma antidepressivos da classe dos ISRS.



“O embotamento emocional é um efeito colateral comum dos antidepressivos ISRS. De certa forma, isso pode ser em parte como eles funcionam – eles tiram um pouco da dor emocional que as pessoas que sofrem de depressão sentem, mas, infelizmente, parece que eles também tiram um pouco do prazer. A partir de nosso estudo, agora podemos ver que isso ocorre porque eles se tornam menos sensíveis às recompensas, que fornecem um feedback importante”, comenta em um comunicado a professora Barbara Sahakian, do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Cambridge e autora sênior do artigo.


A primeira autora conjunta do trabalho, Christelle Langley, do mesmo departamento, afirma que as “descobertas fornecem evidências importantes para o papel da serotonina no aprendizado por reforço”.


“Estamos acompanhando esse trabalho com um estudo que examina dados de neuroimagem para entender como o escitalopram afeta o cérebro durante o aprendizado de recompensa”, complementa. 


O estudo não recomenda, em momento algum, que pessoas em uso de antidepressivos deixem de tomá-los caso sintam algo descrito acima. A decisão por descontinuar o tratamento medicamentoso deve ser avaliada por um médico psiquiatra e sempre feita sob supervisão. 


Poluição elétrica: uso diário de muitos aparelhos domésticos pode causar depressão e insônia


Fonte: r7.com

Saúde

São Paulo começa amanhã a vacinar todas as crianças de 6 meses a 2 anos contra Covid-19 – Notícias

Avatar photo

Publicado

em


A vacinação de crianças de 6 meses a 2 anos contra a Covid-19 começa nesta quinta-feira (2) em São Paulo (SP). Depois de priorizar meninos e meninas com comorbidades, amanhã todas as crianças nessa faixa etária poderão ser imunizadas — basta os pais ou responsáveis as levarem a um posto de saúde.


As doses para esse público-alvo começaram a ser enviadas à rede de vacinação da cidade na manhã desta quarta-feira (1º). 


Ao todo, a capital paulista pretende vacinar 367.439 crianças na faixa etária de 6 meses a 2 anos, 11 meses e 29 dias, de acordo com levantamento da Fundação Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados).


Além dos bebês, crianças de 5 a 11 anos que já receberam as duas primeiras doses do imunizante poderão tomar o reforço. O público dessa faixa etária que pode receber a terceira dose é estimado em 812.426 crianças.


Até agora, os postos de saúde da cidade de São Paulo já aplicaram 1.082.827 de primeiras doses contra a Covid-19 em crianças de 5 a 11 anos — com cobertura de 100%. No caso da segunda dose, foram 904.866 aplicações, com cobertura de 83,5%.



De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, os programas Nacional e Estadual de Imunizações enviaram novos lotes com um total de 768 mil doses de vacinas contra a Covid-19, entre Pfizer Baby e Pediátrica, para a capital, na noite da terça-feira (31).


Até ontem, 32.019 crianças de 6 meses a 2 anos com comorbidades, deficiência permanente, indígenas, além do público geral dessa faixa etária presentes na “xepa”, receberam doses do imunizante (24.810 de primeira dose e 7.209 de segunda). 


Serviço: vacinação de crianças de 6 meses a 2 anos contra a Covid-19
Local: UBS (Unidades Básicas de Saúde) e AMAs (Assistências Médicas Ambulatoriais)/UBSs Integradas
Atendimento: de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h (nas AMAs/UBSs Integradas aos sábados, também das 7h às 19h)

Encontre a unidade de saúde mais próxima da sua casa neste link


Vacinação em São Paulo (SP)


Ao todo, a cidade de São Paulo já aplicou 37.175.745 doses de imunizantes contra a Covid-19 desde o início da vacinação. Desse total, 12.144.396 pessoas receberam a primeira vacina e 11.507.451 completaram com a segunda dose. Desse número, 367.511 tomaram a dose única.


Além disso, já foram aplicadas em toda a população elegível 8.361.813 primeiras doses adicionais, 4.528.573 segundas doses adicionais e 266.001 terceiras doses adicionais.

Fonte: r7.com

Continue lendo

Saúde

Governo anuncia datas de início das campanhas nacionais de vacinação em 2023 – Notícias

Avatar photo

Publicado

em


O Ministério da Saúde divulgou, na noite de terça-feira (31), as datas das campanhas de vacinação contra Covid, gripe e outras doenças no ano de 2023.


Estão previstas ações entre fevereiro e maio, que incluem diversos grupos prioritários, além da imunização de crianças a adolescentes com vacinas que fazem parte do calendário.


Reforço Covid


A partir de 27 de fevereiro, o ministério vai liberar a aplicação da dose de reforço atualizada contra a Covid-19 da Pfizer.


Poderão ser vacinados todos aqueles que tiverem pelo menos duas doses anteriores e façam parte de um dos seguintes grupos:


• Indivíduos com mais de 60 anos;

• Gestantes e puérperas;

• Pacientes imunocomprometidos;

• Pessoas com deficiência;

• Residentes de instituições de longa permanência;

• Povos indígenas, ribeirinhos e quilombolas;

• Profissionais da saúde.


O governo comprou 52 milhões de doses que, segundo o ministério, são suficientes para vacinar todos os brasileiros dos grupos acima.


No mês de março, o governo vai focar esforços para completar o esquema vacinal de todos com mais de 12 anos contra a Covid-19, além de intensificar a vacinação de crianças e adolescentes.


Para este último grupo, planejam-se mobilizações na comunidade escolar, desde a educação infantil até o ensino médio, com duas semanas de atividades de orientação e comunicação com estudantes, pais e responsáveis.


Gripe


A vacinação de grupos prioritários contra a gripe começará em abril para o seguinte público-alvo:


• Pessoas com mais de 60 anos;

• Adolescentes em medidas socioeducativas;

• Caminhoneiros e caminhoneiras;

• Crianças de 6 meses a 4 anos;

• Forças Armadas;

• Forças de Segurança e Salvamento;

• Gestantes e puérperas;

• Pessoas com deficiência;

• Pessoas com comorbidades;

• População privada de liberdade;

• Povos indígenas, ribeirinhos e quilombolas;

• Professoras e professores;

• Profissionais de transporte coletivo;

• Profissionais portuários;

• Profissionais do Sistema de Privação de Liberdade;

• Trabalhadoras e trabalhadores da saúde.


Multivacinação


Em maio, será a vez da campanha de multivacinação contra o sarampo e a poliomielite nas escolas. Assim como a ação da Covid-19, haverá orientação e atividades de mobilização.


“O Brasil, considerado um país pioneiro em campanhas de vacinação, desde 2016, vem apresentando retrocessos nesse campo. Praticamente todas as coberturas vacinais estão abaixo da meta. Por isso, o objetivo é retomar os altos percentuais de proteção”, diz o Ministério da Saúde em comunicado.


A cobertura vacinal da pólio, por exemplo, ficou abaixo de 75% em 2022.


“A gente tem o maior programa de imunização do mundo e sempre fomos exemplo. A comunicação, sem dúvida, será fundamental para que possamos recuperar a confiança nos imunizantes”, complementa em nota a secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente, Ethel Maciel.

Fonte: r7.com

Continue lendo

Saúde

Tarcísio sanciona lei que autoriza distribuição gratuita de remédios à base de cannabis em SP

Avatar photo

Publicado

em

Tarcísio sanciona lei que autoriza distribuição gratuita de remédios à base de cannabis em SP

Nesta terça-feira, 31, o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), sancionou a lei que garante o fornecimento gratuito de medicamentos à base de canabidiol pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no estado.  As informações são do “g1”

Tal projeto, de autoria do deputado estadual Caio França (PSB), foi aprovado no dia 21 de dezembro de 2022 pela Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp). 


Post sobre a notícia. (Reprodução/Twitter @emirsader)


Desde o ano de 2010, famílias e entidades da sociedade civil passaram a conhecer as propriedades medicinais da cannabis, principalmente para crianças com epilepsia, e pressionaram a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pela liberação das substâncias.  

Segundo o site “Agência Brasil”, a Anvisa, em 2015, liberou a importação de produtos medicinais feitos a partir da cannabis.

De acordo com Caio França, esses medicamentos só eram fornecidos pelo governo estadual por meio de decisão judicial, o que burocratiza o acesso e encarece para o Poder Público com custos judiciais. 

Na cerimônia, Tarcísio de Freitas afirmou que a lei ainda precisa de regulamentação, no entanto espera que isso aconteça de uma forma rápida.  

Inclusive, ele chegou a se emocionar quando contou que tem um sobrinho que sofre de uma rara síndrome, que tinha muitas convulsões por dia, e que acabou melhorando após começar a fazer uso de um medicamento à base de canabidiol.  

De acordo com informações do “g1”, pesquisas comprovam que autistas, pessoas com síndromes raras, Parkinson, epilepsia, Alzheimer e outras patologias podem ser tratadas com tais medicamentos. 

Em média, esse medicamento custa o valor de R$ 1.500 por mês, dependendo da dosagem indicada para o paciente. 

O canabidiol é uma das dezenas de substâncias presentes na Cannabis sativa, porém não produz os efeitos psicoativos conhecidos na planta. 

A nova lei tinha que ser sancionada ou vetada até esta sexta-feira, 3. 

Foto Destaque: Tarcísio sanciona lei que garante o fornecimento de medicamentos à base da cannabis no SUS no estado. Reprodução/Comunicação/Abrace/Fábio Tito/g1.


Fonte: r7.com

Continue lendo
Publicidade


Mais lidas