Connect with us

Politica

Polícia prende homem que destruiu relógio do século 17 no Palácio do Planalto – Notícias

Avatar photo

Publicado

em


A Polícia Federal prendeu em Uberlândia (MG), nesta segunda-feira (23), o homem de 30 anos filmado ao destruir um relógio do século 17 durante os ataques às sedes dos Três Poderes, em 8 de janeiro. O objeto raro foi produzido na França pelo relojoeiro Balthazar Martinot, que trabalhava para a corte francesa.



O relógio foi um presente da França ao então rei dom João 6º e estava no 3º andar do Palácio do Planalto. Câmeras de segurança flagraram o momento em que o homem destruiu o objeto. Nas imagens, ele vem caminhando, para, derruba o relógio no chão e revira mesas e cadeiras. Depois, retorna e tenta destruir a câmera de segurança com um extintor de incêndio.



O governo federal pediu a uma relojoaria da Suíça que ajude a recuperar o relógio de Balthazar Martinot. Embora ainda não haja previsão da vinda dos profissionais ao Brasil, a Curadoria dos Palácios Presidenciais, comandada pelo arquiteto e urbanista Rogério Carvalho, já iniciou as tratativas. Apesar disso, Carvalho acredita que, diferentemente de outras obras vandalizadas, a restauração do relógio será “muito difícil”.



Entre as obras destruídas estão quadros assinados por Di Cavalcanti e Bruno Giorgi, a mesa de trabalho de Juscelino Kubitschek e a escultura de parede de madeira de Frans Krajcberg. O prejuízo nas sedes dos Três Poderes é estimado em R$ 18,5 milhões.

Fonte: r7.com

Politica

Senadores escolhem membros da Mesa Diretora nesta quinta-feira – Notícias

Avatar photo

Publicado

em


Após reelegerem Rodrigo Pacheco (PSD-MG) à presidência do Senado, os parlamentares da Casa escolhem nesta quinta-feira (2) os outros dez membros da Mesa Diretora. Serão eleitos dois vice-presidentes, quatro secretários e quatro suplentes.  


Desde 2019, a ocupação da mesa do Senado segue o critério da proporcionalidade — ou seja, os maiores partidos dividem entre si os cargos. Nos últimos anos, essa distribuição vem sendo feita via acordos partidários.


Leia também: Impeachment não será banalizado, diz Rodrigo Pacheco


O mais provável é que a primeira-vice-presidência fique com o PDT. O União Brasil deve ficar com a segunda-vice-presidência, e o PT, com a primeira secretaria. A segunda, terceira e quarta secretarias ainda não foram definidas e devem ser disputadas pelo MDB, Rede e PSB.


Entre as atribuições do presidente, estão convocar e presidir as sessões da casa e as sessões conjuntas do Congresso, pôr matérias em votação e retirá-las e impugnar proposições contrárias à Constituição, às leis ou ao regimento. O primeiro e o segundo-vice-presidentes substituem o presidente quando for necessário.


Ao primeiro secretário cabe conferir os resultados das votações, receber e ler a correspondência oficial que chega ao Senado e supervisionar as atividades administrativas da Casa. Já o segundo secretário é responsável por escrever, ler e assinar as atas das sessões secretas. O terceiro e o quarto secretários são responsáveis pela chamada dos senadores, por contar os votos e auxiliar o presidente na apuração de eleições.




Pacheco reeleito



Com 49 votos, Rodrigo Pacheco foi reconduzido à presidência do Senado nesta quarta-feira (1º). No discurso após a vitória, o senador eleito falou em pacificação política e disse que a “polarização tóxica precisa ser erradicada do país”. “Os Poderes da República precisam trabalhar em harmonia, buscando consenso pelo diálogo”, destacou. O parlamentar mineiro permanece no cargo até 2024.


Ele venceu Rogério Marinho (PL-RN), que obteve o apoio de 32 parlamentares, inclusive de Eduardo Girão (Podemos-CE), que retirou a candidatura poucos minutos antes do início da votação. 

Fonte: r7.com

Continue lendo

Politica

J.R. Guzzo: Paulo Guedes tinha razão

Avatar photo

Publicado

em

Sob a condução de Guedes, o Brasil cresceu mais que a China

(J.R. Guzzo, publicado no jornal O Estado de S. Paulo em 1º de fevereiro de 2023)

Saíram, afinal, os dados oficiais do Banco Mundial para o desempenho da economia em 2022 e lá está: o Brasil cresceu mais que a China, pela primeira vez em 42 anos. O ex-ministro Paulo Guedes já havia dito exatamente isso, em suas estimativas sobre a performance da economia brasileira no ano passado; foi sepultado por uma avalanche de reações indignadas por parte dos economistas de esquerda, analistas de grandes bancos e mais do mesmo, todos convencidos de que o Brasil não iria crescer nada, ou algo assim. Não só erraram na previsão; previram o contrário do que aconteceu. É claro que nenhum deles fará qualquer esforço sério para entender o que houve, e isso garante que a qualidade das suas análises continuará a mesma de sempre. Fazer o quê? O mundo das previsões econômicas é assim mesmo. A vida continua.

Vale a pena registrar, em todo caso, que os números do Banco Mundial colocam mais um prego no caixão em que está enterrada a eterna desculpa de Lula quando assume a Presidência da República — a de que recebeu uma “herança maldita” do seu antecessor. Em todas as vezes que disse isso, a realidade dos fatos era precisamente a oposta. Na verdade, Lula recebeu um país muito bem arrumado do ponto de vista econômico, levando-se em conta as circunstâncias mundiais e o efeito devastador que dois anos de covid e de “fique em casa” tiveram no sistema de produção do Brasil. A inflação, abaixo de 6% ao ano, é menor que a da Europa e dos Estados Unidos. A taxa de desemprego, em 2022, recuou para cerca de 8% — o melhor índice desde 2014. As reservas internacionais estão acima de US$ 320 bilhões. As exportações bateram mais um recorde. Os índices de miséria, segundo o mesmo Banco Mundial, são os menores em vinte anos. As empresas estatais, que segundo Lula estão “destruídas”, lucraram mais de R$ 250 bilhões no ano passado. (Quem levou a Petrobras à beira da falência foram os governos de Lula e Dilma.) Vem, agora, a confirmação do crescimento econômico — 3,1% em 2022, um dos mais altos do mundo num momento ruim para todos.

“Herança maldita”? Onde? Herança maldita, na vida real, foi a que os governos do PT deixaram para Michel Temer em 2016 — uma economia em ruínas, com a maior recessão que este país já teve em sua história. Temer, denunciado como “golpista” por Lula, simplesmente reconstruiu o Brasil destruído por Lula e Dilma; fez o  contrário, precisamente, do que é acusado de ter feito. Os números reais, de qualquer maneira, não vão desaparecer só porque Lula inventa uma situação que não existe. Ficarão aí para sempre — e logo mais, queira ele ou não queira, começarão a ser comparados com os números do seu governo. A população brasileira terá, então, a oportunidade de ver com os seus próprios olhos o que o novo presidente tem a apresentar no mundo das realidades.


Fonte: r7.com

Continue lendo

Politica

Bolsonaro participa do primeiro evento público nos EUA e questiona resultado das urnas – Notícias

Avatar photo

Publicado

em


O ex-presidente Jair Bolsonaro participou de um evento na Flórida, nos Estados Unidos, na última terça-feira (31), e afirmou que pretende continuar envolvido com a política brasileira. Durante o encontro, Bolsonaro voltou a questionar o resultado das eleições de 2022, em que perdeu nas urnas para o atual presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). 


“Estou com 67 anos e pretendo continuar ativo na política brasileira”, disse o ex-presidente para cerca de 400 pessoas que participavam do encontro organizado pela Yes Brazil USA, grupo que apoia Bolsonaro nos EUA.



No local, Bolsonaro afirmou que “nunca fui tão popular. O ano passado superou muito 2018” (quando venceu as eleições) e questionou a vitória de Lula. “No fim das contas, a gente fica com uma interrogação na cabeça. Mas vamos enfrentar, e vamos, se Deus quiser, juntos, vencer esse momento.”


Leia também: Apoiadores vão homenagear Bolsonaro nos EUA; ingressos custam até 50 dólares


O ex-presidente viajou para os EUA antes do fim de seu mandato, em 30 de dezembro, e não compareceu à cerimônia de posse de Lula. Ele criticou os atos de extremistas que invadiram as sedes dos Três Poderes em Brasília no dia 8 de janeiro deste ano. 




Homenagem



No evento, Bolsonaro foi recebido com aplausos e abraços. As homenagens ao ex-presidente duraram cerca de uma hora. Esse foi o primeiro ato público desde que Bolsonaro chegou aos EUA.


O governo federal autorizou a ida de três seguranças de Bolsonaro para Orlando, entre os dias 27 de janeiro e 16 de fevereiro. São eles: Osmar Crivelatti, Ricardo Dias dos Santos e Estácio Leite da Silva Filho. 


Viagem de Bolsonaro


O ex-presidente viajou para os Estados Unidos com Michelle Bolsonaro e a filha, Laura, de 12 anos, um dia antes de terminar o mandato, em 30 de dezembro. Bolsonaro optou por sair do país e não participar da cerimônia de posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que ocorreu em 1º de janeiro.


A família ficou hospedada em uma casa de férias que pertence ao ex-lutador de MMA José Aldo. Uma publicação no Diário Oficial da União autorizou a ida de assessores de Bolsonaro aos EUA. A permissão valeu pelo período de 1º a 30 de janeiro de 2023. A publicação prevê o afastamento dos servidores “para realizar o assessoramento, a segurança e o apoio pessoal do futuro ex-presidente”.


Estavam na lista o subtenente da Polícia Militar do Rio de Janeiro Max Guilherme Machado de Moura (PL); o capitão da reserva Sérgio Rocha Cordeiro; o atual assessor especial Marcelo Costa Câmara; o suboficial da Marinha Ricardo Dias dos Santos; e o primeiro-tenente do Exército Osmar Crivelatti.

Fonte: r7.com

Continue lendo
Publicidade


Mais lidas