conecte-se conosco

Notícias

MPMG requer condenação do prefeito por desvio de dinheiro em Manhumirim

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio da Procuradoria de Justiça Especializada no Combate aos Crimes Praticados por Agentes Políticos Municipais, ofereceu denúncia ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) requerendo a condenação do prefeito, do secretário municipal de Saúde e de um empresário de Manhumirim, na Zona da Mata, pelo desvio de R$ 80 mil dos cofres públicos para o prefeito.

Vinicius Silva

Publicado

em

MANHUMIRIM (MG) – O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio da Procuradoria de Justiça Especializada no Combate aos Crimes Praticados por Agentes Políticos Municipais, ofereceu denúncia ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) requerendo a condenação do prefeito, do secretário municipal de Saúde e de um empresário de Manhumirim, na Zona da Mata, pelo desvio de R$ 80 mil dos cofres públicos para o prefeito.

O MPMG requereu também, ao TJMG, o afastamento cautelar do prefeito, já que ele tentou destruir provas durante a instrução do processo, além de intimidar uma testemunha, servidora pública municipal.

Segundo o procurador de Justiça Cristóvam Joaquim Fernandes Ramos Filho, em agosto de 2018, com autorização do prefeito e a pedido do secretário municipal de Saúde, a prefeitura realizou licitação para a compra de móveis, equipamentos médicos, de informática e de telefonia para a Secretaria de Saúde, no valor total de R$ 290.588,00.

A prefeitura pagou os R$ 290.588,00 à HSC Comércio e Serviços, vencedora da licitação, mas, conforme previamente combinado, o dono da empresa repassou ao prefeito R$ 80 mil do valor total. Ainda dentro do esquema, a empresa entregou à Secretaria de Saúde apenas parte dos itens licitados, enquanto o secretário de Saúde atestou o recebimento integral deles, contribuindo também para o crime do prefeito.

Afastamento

No pedido de afastamento cautelar do prefeito, o procurador de Justiça Cristóvam Joaquim Fernandes Ramos Filho argumentou que “os fatos são graves e que vieram devidamente comprovados por farta prova testemunhal, incluindo confissão de um dos acusados, vistoria da Receita Estadual e extrato bancário demonstrando o saque de parte da quantia desviada, não pairando qualquer dúvida acerca da prática do crime”.

Argumentou também que tramitam uma denúncia na 6ª Câmara Criminal do TJMG, oferecida pela Procuradoria de Justiça Especializada, além de quatro ações propostas por ato de improbidade, dezenas de inquéritos civis instaurados pela Promotoria de Justiça da comarca contra o prefeito, o qual não atende às intimações, requisições e ofícios dos órgãos de controle que o investigam.

Com informações da Assessoria de Imprensa do MPMG

Fonte: https://www.portalcaparao.com.br/noticias/visualizar/31836/mpmg-requer-condenacao-do-prefeito-por-desvio-de-dinheiro-em-manhumirim

Continue lendo
Publicidade

Brasil

Polícia Civil analisa vídeo entregue por cervejaria Backer

A Polícia Civil de Minas Gerais está analisando o conteúdo de um vídeo entregue pela cervejaria mineira Backer e que pode reforçar a hipótese de que a empresa tenha sido alvo de sabotagem.

Vinicius Silva

Publicado

em

Conteúdo pode apontar sabotagem em fábrica mineira

A Polícia Civil de Minas Gerais está analisando o conteúdo de um vídeo entregue pela cervejaria mineira Backer e que pode reforçar a hipótese de que a empresa tenha sido alvo de sabotagem.

A corporação disse que não pode dar detalhes sobre o vídeo para não atrapalhar as investigações sobre a contaminação de 22 lotes de oito diferentes rótulos de cervejas produzidas pelas Backer: Belorizontina, Capixaba, Capitão Senra, Pele Vermelha, Fargo 46, Backer Pilsen, Brown e Backer D2.

A cervejaria, no entanto, confirma que teve acesso e repassou imediatamente à Polícia Civil “um vídeo cujo conteúdo pode estar relacionado com as investigações em curso”. O vídeo, de acordo com a empresa, foi entregue às autoridades nesta quinta-feira (16).

Ontem (16), policiais mineiros cumpriram mandados de busca e apreensão em uma empresa distribuidora que fornece a Backer insumos usados na produção de cerveja. A distribuidora, cujo nome não foi divulgado, fica em Contagem, na região metropolitana da capital mineira.

Depoimentos

Na quinta-feira (16) mais duas pessoas prestaram depoimento na 4ª Delegacia de Polícia, em Belo Horizonte, onde um inquérito policial foi instaurado para apurar a suposta contaminação das cervejas da Backer por duas substâncias tóxicas usadas em sistemas de refrigeração por suas propriedades anticongelantes, o monoetilenoglicol e o dietilenoglicol.

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, exames periciais demonstram a presença das duas substâncias nos 22 lotes dos oito rótulos de cerveja considerados contaminados. No último dia 13, quando a contaminação pelos anticongelantes ainda era uma suspeita, o ministério intimou a empresa a recolher dos estabelecimentos comerciais toda a bebida produzida a partir de outubro de 2019. Além disso, lacrou tanques e demais equipamentos de produção e determinou a apreensão de 139 mil litros de cerveja engarrafada e 8.480 litros de chope.

Até o momento, quatro mortes estão sendo atribuídas à intoxicação pelo consumo da cerveja Backer, particularmente da Belorizontina. A primeira morte, de uma mulher, ocorreu em Pompéu, a cerca de 170 quilômetros da capital mineira. Embora a vítima tenha falecido em 28 de dezembro, só ontem (16) a Secretaria estadual de Saúde confirmou que o caso pode estar associado à síndrome nefroneural provocado pela intoxicação. As outras três vítimas fatais são do sexo masculino e vieram a óbito em 7, 15 e 16 de janeiro, em Juiz de Fora e Belo Horizonte, respectivamente.

Outros 14 pacientes continuam internados em estabelecimentos de saúde mineiros. Dos 18 casos registrados até hoje, apenas quatro já têm laudos atestando a presença de dietilenoglicol no sangue, incluído o homem que faleceu no último dia 7. Doze das vítimas residem ou residiam em Belo Horizonte e seis moram ou moravam em Nova Lima, Pompéu, São João Del Rei, São Lourenço, Ubá e Viçosa.

Todas as pessoas internadas devido à suspeita de terem desenvolvido a síndrome nefroneural apresentaram sintomas semelhantes – insuficiência renal aguda de evolução rápida (ou seja, que levou a pessoa a ser internada em até 72 horas após o surgimento dos primeiros sintomas) e alterações neurológicas centrais e periféricas que podem ter provocado paralisia facial, embaçamento ou perda da visão, alteração sensório, paralisia, entre outros sintomas.

Em nota, a Backer diz que contribui com as autoridades sem restrições e reforça que é a principal interessada na apuração e elucidação dos fatos.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia

Continue lendo

Notícias

Bombeiros de Manhuaçu resgatam cão preso em rochedo em Abre Campo

ABRE CAMPO (MG) – O Corpo de Bombeiros de Manhuaçu resgatou um cachorro que ficou preso num rochedo numa montanha no córrego Boa Vista, em Abre Campo, durante a tarde desta quinta-feira, 16/01.

Vinicius Silva

Publicado

em

17/01/2020 – Atualizado em 17/01/2020 13h3733

ABRE CAMPO (MG) – O Corpo de Bombeiros de Manhuaçu resgatou um cachorro que ficou preso num rochedo numa montanha no córrego Boa Vista, em Abre Campo, durante a tarde desta quinta-feira, 16/01.

Os bombeiros foram acionados depois de dois dias que o animal estava preso e várias tentativas sem sucesso dos moradores. Preocupados com o animal, moradores pediram ajuda para o resgate.

O cachorro ficou preso em meio às rochas durante uma queda no local. Após uma avaliação do quadro, os militares da Companhia do Corpo de Bombeiros de Manhuaçu fizeram alguns procedimentos de cortes na rocha e conseguiram acesso ao local para a retirada do cão.

A operação de resgate durou cerca de duas horas. Ao final, os Sargentos Albuquerque e César devolveram o cão ao seu dono.

Carlos Henrique Cruz – [email protected]

Fonte: https://www.portalcaparao.com.br/

Continue lendo
Publicidade

Facebook

Siga-nos

Mais lidas