conecte-se conosco

Tecnologia

iPhone 5S usado: saiba se vale a pena comprar o smartphone de 2013

Avatar

Publicado

em

O iPhone 5S teve seu lançamento ainda em 2013, com uma ficha técnica que agradou em muito os consumidores. Ele continua sendo um dos maiores sucessos da companhia, com bom desempenho. Passados três anos desde que o 5S chegou ao mercado, ainda vale a pena comprar? O preço pode cair para R$ 1.300 se você pesquisar bem. Já que o valor é bom, esta matéria especial te mostra a ficha técnica e os predicados do smartphone da Apple.

Melhores celulares para comprar no Brasil em todas as faixas de preço

Conheça melhor recursos como tela, desempenho do processador, design, preço e outros detalhes como cores e armazenamento, que pode ser 16 GB, 32 GB ou 64 GB. Além disso, descubra se o custo-benefício do telefone faz dele uma boa opção para comprar usado, mesmo após quase três anos da sua chegada ao Brasil.

Para uma breve comparação, a Apple expandiu o tamanho da tela na versão seguinte do iPhone, com duas versões do iPhone 6S, uma de 4,7 polegadas e outra de 5,5 polegadas, o 6S Plus.

No visual, o iPhone 5S traz na parte frontal o botão Touch ID, com leitor de impressões digitais, o que é um recurso de destaque e bastante inovador para um aparelho lançado em 2013. O tamanho do celular é bem compacto – útil para quem gosta de carregar o smartphone no bolso –, com 123,8 x 58,6 x 7,6 mm nas dimensões e peso de 112 g. Quanto às cores disponíveis, há o modelo prata, o dourado e o cinza espacial.

Processador e desempenho

O iPhone 5S foi lançado com um processamento mais avançado do que o antecessor, o iPhone 5, apesar de manter o design. Nas especificações de hardware, há o Apple A7, de 64 bits, trabalhando em conjunto com o coprocessador M7, utilizado para gerar gráficos e imagens. Sem entrada para cartão de memória, o celular tem três opções de espaço interno: 16 GB, 32 GB ou 64 GB.

Continue lendo
Publicidade

Geral

China autoriza teste em humanos de vacina contra o coronavírus

A China deu o aval para que pesquisadores iniciem testes de segurança em humanos de uma vacina experimental contra o novo coronavírus

Vinicius Silva

Publicado

em

Os EUA, por sua vez, começaram a testar sua vacina esta semana em voluntários.

A China deu o aval para que pesquisadores iniciem testes de segurança em humanos de uma vacina experimental contra o novo coronavírus, em meio à corrida para desenvolver uma imunização contra a Covid-19.

Cientistas da Academia de Ciências Médicas Militares da China, ligada ao exército, receberam a aprovação para iniciar os ensaios clínicos em estágio inicial dessa potencial vacina a partir desta semana, informou nesta terça-feira (17) o “Diário do Povo”, jornal oficial do Partido Comunista chinês, citado pela agência de notícias Reuters.

Enquanto isso, cientistas norte-americanos realizaram o primeiro teste da vacina contra o coronavírus em humanos. Autoridades de saúde dos Estados Unidos disseram na segunda-feira (16) que voluntários de Seattle, um dos estados mais afetados pela Covid-19 no país, começaram a ser imunizados.

Por meio de comunicado, o Instituto Nacional de Saúde dos EUA (NIH) informou que o teste faz parte de um estudo que vai acompanhar 45 voluntários adultos saudáveis, com idades entre 18 e 55 anos, e deve durar ao menos seis semanas.

Segundo a agência France Presse, todo o processo de criação da vacina deve durar entre 1 ano a 18 meses, isso porque serão necessários mais testes. Neste momento, os pesquisadores querem saber qual é o impacto de diferentes doses administradas por injeção e quais são seus efeitos colaterais.

Jennifer Haller foi a primeira pessoa no mundo a receber uma versão teste de vacina contra a Covid-19 — Foto: Ted S. Warren/

Jennifer Haller foi a primeira pessoa no mundo a receber uma versão teste de vacina contra a Covid-19 — Foto: Ted S. Warren/

Uma das voluntárias, a norte-americana Jennifer Haller, disse à rede de notícias MSNBC que tem sua temperatura tirada durante várias vezes por dia e que é acompanhada por uma equipe médica constantemente.

“Há grandes chances de que eu esteja envolvida na descoberta da vacina, mas ainda que não seja dessa vez, pelo menos estou contribuindo como parte do processo de descoberta”, disse Haller.

Haller trabalha como gerente de operações em uma pequena empresa de tecnologia e recebeu liberação do trabalho para participar do estudo que ela ficou sabendo a partir de uma postagem no Facebook.

“Todos nos sentimos tão impotentes. Esta é uma oportunidade incrível para eu fazer algo “, disse Jennifer Haller, uma das voluntárias a receber as vacinas.

O segundo a ser testado foi o engenheiro de redes, Neal Browning, quem disse à agência Associated Press que resolveu ser testado por causa de suas filhas pequenas, que disseram estar orgulhosas do pai.

O engenheiro Neal Browning é um dos primeiros a ser testado com a vacina contra o coronavírus — Foto: Ted S. Warren/AP

O engenheiro Neal Browning é um dos primeiros a ser testado com a vacina contra o coronavírus — Foto: Ted S. Warren/AP

Esforço internacional

A vacina americana foi desenvolvida por cientistas e colabores do NIH, num trabalho conjunto com empresa de biotecnologia Moderna, com sede em Cambridge, Massachusetts. A Coalizão de Inovações em Preparação para Epidemias (CEPI), com sede em Oslo, Noruega, também direcionou fundos para a implementação do medicamento.

“Encontrar uma vacina segura e eficaz para prevenir a infecção de Sars-CoV-2 é uma prioridade para a saúde pública” – Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas.

Atualmente, não existem vacinas ou tratamentos aprovados para a Covid-19, que infectou mais de 175.000 pessoas em todo o mundo desde que surgiu na cidade chinesa de Wuham (centro), no final de dezembro.

Corrida por uma solução

Laboratórios farmacêuticos e de pesquisa em todo o mundo competem para desenvolver tratamentos e vacinas para o novo coronavírus.

Por exemplo, um tratamento antiviral chamado remdesivir, desenvolvido pela American Gilead Sciences, já está nos estágios finais de testes clínicos na Ásia, e médicos na China relataram que ele demonstrou ser eficaz no combate à doença.

Mas apenas testes aleatórios permitem aos cientistas saber se é realmente eficaz ou se os pacientes se recuperariam sem ele.

Outra empresa americana, a Inovio, que está criando uma vacina baseada em DNA, comunicou que iniciará testes clínicos no próximo mês.

Fote: g1.globo.com

Continue lendo

Mundo

Inteligência aponta que avião ucraniano foi derrubado por míssil do Irã, afirma premiê canadense

Irã diz que é ‘cientificamente impossível’ que um míssil tenha atingido a aeronave. Mais cedo, Trump afirmou que ‘alguém pode ter cometido um erro do outro lado’. Queda de aeronave matou as 176 pessoas que estavam a bordo.

Vinicius Silva

Publicado

em

Irã diz que é ‘cientificamente impossível’ que um míssil tenha atingido a aeronave. Mais cedo, Trump afirmou que ‘alguém pode ter cometido um erro do outro lado’. Queda de aeronave matou as 176 pessoas que estavam a bordo.

O premiê canadense Justin Trudeau disse nesta quinta-feira (9) que múltiplas fontes de inteligência apontam que o avião ucraniano que caiu em Teerã na quarta foi derrubado por um míssil iraniano. Trudeau afirmou que a derrubada pode ter sido acidental, mas apontou que a investigação do caso precisa ser completa.

“Temos inteligência de várias fontes, incluindo nossos aliados e nossa própria inteligência. As evidências indicam que o avião foi abatido por um míssil terra-ar iraniano. Pode ter sido não intencional”, disse.

Justin Trudeau disse que inteligência aponta que avião ucraniano repleto de canadenses foi derrubado por míssil iraniano — Foto: Reuters/Blair Gable

Ainda durante a fala de Trudeau, o jornal americano “The New York Times” divulgou um vídeo que aparenta mostrar o momento em que o avião é atingido por um míssil.

Nenhum dos 176 passageiros que estavam a bordo sobreviveu.

Trudeau ainda disse que está em diálogo com a chancelaria iraniana — 63 passageiros que estavam no avião eram canadenses, e 138 deles tinham o Canadá como destino final. Teerã estaria mostrando abertura para permitir que agentes consulares canadenses fossem ao Irã para ajudar as famílias das vítimas.

  • Veja quem são as vítimas do desastre no Irã

Segundo o líder canadense, ainda é cedo para ficar atribuindo culpa pelo desastre ou tirando conclusões.

Boris Johnson, primeiro-ministro do Reino Unido, — Foto: Henry Nicholls/Reuters

Logo após a fala de Trudeau, o premiê britânico Boris Johnson corroborou a fala de seu colega do Canadá: “Existe agora um conjunto de informações de que o voo foi abatido por um míssil terra-ar iraniano. Pode ter sido não intencional “, declarou.

Mais cedo, a imprensa americana divulgou que autoridades de Washington compartilham da visão de que a aeronave ucraniana foi atingida por um míssil. O Irã negou essa possibilidade.

Trump

Em declaração na Casa Branca, o presidente dos EUA, Donald Trump, foi questionado sobre o que achava que tinha acontecido com o avião. Ele respondeu que “alguém pode ter cometido um erro do outro lado”.

“Não quero dizer isso porque outras pessoas têm suspeitas”, disse Trump, mas acrescentou: “Alguém pode ter cometido um erro do outro lado… não o nosso sistema. Não tem nada a ver conosco”, afirmou, segundo a rede de televisão americana CNN.

Trump disse que tem um ‘pressentimento terrível’ sobre a queda do avião — Foto: Reuters/Kevin Lamarque

O presidente americano disse, ainda, que tem um “pressentimento terrível” sobre a queda do avião.

Segundo a agência de notícias Reuters, fontes do governo americano estão “confiantes” de que o avião foi derrubado por um míssil do Irã, de acordo com “dados de satélite”. Ainda segundo a agência, as fontes, que não foram identificadas, dizem que a aeronave “muito provavelmente” foi derrubada acidentalmente pela defesa aérea iraniana.

O Pentágono se negou a comentar a queda do avião.

Mais cedo, a revista americana “Newsweek” também havia informado sobre a possibilidade de o avião ter sido derrubado de forma “acidental” pela defesa antiaérea iraniana, segundo declarações feitas à revista por oficiais do Pentágono e da inteligência dos Estados Unidos e do Iraque, que também não quiseram se identificar.

Para fontes de segurança europeias, os relatos de que o avião foi derrubado são “críveis”, segundo a CNN.

Negativas iranianas

Em nota, um porta-voz do governo do Irã afirmou que os relatos de que um míssil atingiu o avião são uma “guerra psicológica” contra Teerã, e que o país está aberto à presença de representantes de outros países cujos cidadãos morreram na queda do avião.

Havia passageiros de 7 nacionalidades na aeronave: IrãCanadáUcrâniaAfeganistãoSuéciaReino Unido e Alemanha. O ministro de Relações Exteriores canadense, François Champagne, disse que as autoridades do país receberam indicações de que podem proceder para obter vistos iranianos. O Canadá rompeu as relações diplomáticas com o Irã em 2012.

O porta-voz do ministério de Relações Exteriores do Irã, Abbas Mousavi, disse que o país pede ao Canadá ou a qualquer outro país que tenha informações sobre a queda do avião as compartilhe com Teerã. O governo também disse que “pede de forma insistente” à Boeing, empresa fabricante do avião, que envie um representante para participar da investigação da queda.

Fonte: https://g1.globo.com/

Continue lendo
Publicidade

Facebook

Siga-nos

Publicidade

Mais lidas