conecte-se conosco

Notícias

Ibama confirma que óleo encontrado em três praias do ES é o mesmo que atingiu o Nordeste

Avatar

Publicado

em

Militares do Exército limparam a Praia de Pontal do Ipiranga neste domingo (10) — Foto: Reprodução/ TV Gazeta

Em outras praias onde os fragmentos também chegaram, substância ainda está sendo analisada. Óleo foi recolhido em três municípios: São Mateus, Conceição da Barra e Linhares.

Até a noite desta segunda-feira (11), fragmentos de óleo chegaram a praias de três municípios do Espírito Santo. Em três delas, todas localizadas na cidade de São Mateus, no Norte do Estado, o Ibama confirmou que o óleo encontrado é o mesmo que atingiu o litoral do Nordeste. Militares da Marinha e do Exército atuam na limpeza das praias, que ainda não foram interditadas para banhistas.

São Mateus

São Mateus, a menos de 100 quilômetros da divisa com a Bahia, foi o primeiro município capixaba a registrar o aparecimento do óleo. A substância foi recolhida nas praias de Guriri, Barra Nova e Urussuquara.

O rio Cricaré, que abastece também o município vizinho de Conceição da Barra, é uma preocupação da prefeitura. Se o rio for atingido, mais de 100 mil pessoas podem ficar sem água. “Como é que vai fazer? Não se tira o óleo da água, então é preocupante”, disse o prefeito Daniel Santana.

Além disso, a prefeitura fechou a Foz de rios menores, por precaução.

Foz do Rio Mariricu, em São Mateus, foi fechada para tentar impedir contaminação de óleo — Foto: Eduardo Dias/TV Gazeta
Foz do Rio Mariricu, em São Mateus, foi fechada para tentar impedir contaminação de óleo — Foto: Eduardo Dias/TV Gazeta

Linhares

Na praia do Pontal do Ipiranga, em Linhares, o óleo apareceu pela primeira vez na manhã de domingo (10). O local foi limpo, mas o material voltou a aparecer nesta segunda-feira (11).

O recolhimento do óleo foi interrompido por conta do avanço do mar. A prefeitura informou que os trabalhos serão retomados nesta terça-feira (12).

De acordo com a prefeitura, o Sistema de Comando em Operações (SCO) de Linhares vai realizar o fechamento da foz do Rio Doce, em Regência. A medida evitará que o material atinja e contamine o estuário local – onde o rio encontra o mar.

Conceição da Barra

No final da tarde deste domingo (10), foram coletados pequenos fragmentos de óleo na Praia do Surf, Sede de Conceição da Barra. A Marinha do Brasil foi notificada através do Gabinete de Gestão de Crise, recolheu os resíduos e os encaminhou para análise. Ao todo foram coletados aproximadamente 600 gramas da substância.

Em Conceição da Barra, fragmentos vão passar por análise — Foto: Divulgação/ Prefeitura de Conceição da Barra
Em Conceição da Barra, fragmentos vão passar por análise — Foto: Divulgação/ Prefeitura de Conceição da Barra

As praias tiveram que ficar temporariamente interditadas, sendo liberadas em seguida. “A interdição foi apenas pelo período necessário para realizar limpeza, evitando-se assim aglomeração de curiosos sem equipamentos de proteção individual”, esclareceu o Secretário Municipal de Meio ambiente, André Tebaldi.

De acordo com o Ibama, também há registros da chegada do óleo em Itaúnas e na Foz lado norte do Rio São Mateus. O material ainda vai passar por análise.

Manchas de óleo

As manchas de petróleo em praias do Nordeste começaram a aparecer no dia 30 de agosto, na Paraíba. A substância é a mesma em todos os locais: petróleo cru. O fenômeno tem afetado a vida de animais marinhos e causado impactos nas cidades litorâneas.

O Espírito Santo é o 10º estado brasileiro a ser atingido pelo óleo. Já foram afetados: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.

Fonte: G1 ES e TV Gazeta

Continue lendo
Publicidade

Brasil

Polícia Civil analisa vídeo entregue por cervejaria Backer

A Polícia Civil de Minas Gerais está analisando o conteúdo de um vídeo entregue pela cervejaria mineira Backer e que pode reforçar a hipótese de que a empresa tenha sido alvo de sabotagem.

Vinicius Silva

Publicado

em

Conteúdo pode apontar sabotagem em fábrica mineira

A Polícia Civil de Minas Gerais está analisando o conteúdo de um vídeo entregue pela cervejaria mineira Backer e que pode reforçar a hipótese de que a empresa tenha sido alvo de sabotagem.

A corporação disse que não pode dar detalhes sobre o vídeo para não atrapalhar as investigações sobre a contaminação de 22 lotes de oito diferentes rótulos de cervejas produzidas pelas Backer: Belorizontina, Capixaba, Capitão Senra, Pele Vermelha, Fargo 46, Backer Pilsen, Brown e Backer D2.

A cervejaria, no entanto, confirma que teve acesso e repassou imediatamente à Polícia Civil “um vídeo cujo conteúdo pode estar relacionado com as investigações em curso”. O vídeo, de acordo com a empresa, foi entregue às autoridades nesta quinta-feira (16).

Ontem (16), policiais mineiros cumpriram mandados de busca e apreensão em uma empresa distribuidora que fornece a Backer insumos usados na produção de cerveja. A distribuidora, cujo nome não foi divulgado, fica em Contagem, na região metropolitana da capital mineira.

Depoimentos

Na quinta-feira (16) mais duas pessoas prestaram depoimento na 4ª Delegacia de Polícia, em Belo Horizonte, onde um inquérito policial foi instaurado para apurar a suposta contaminação das cervejas da Backer por duas substâncias tóxicas usadas em sistemas de refrigeração por suas propriedades anticongelantes, o monoetilenoglicol e o dietilenoglicol.

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, exames periciais demonstram a presença das duas substâncias nos 22 lotes dos oito rótulos de cerveja considerados contaminados. No último dia 13, quando a contaminação pelos anticongelantes ainda era uma suspeita, o ministério intimou a empresa a recolher dos estabelecimentos comerciais toda a bebida produzida a partir de outubro de 2019. Além disso, lacrou tanques e demais equipamentos de produção e determinou a apreensão de 139 mil litros de cerveja engarrafada e 8.480 litros de chope.

Até o momento, quatro mortes estão sendo atribuídas à intoxicação pelo consumo da cerveja Backer, particularmente da Belorizontina. A primeira morte, de uma mulher, ocorreu em Pompéu, a cerca de 170 quilômetros da capital mineira. Embora a vítima tenha falecido em 28 de dezembro, só ontem (16) a Secretaria estadual de Saúde confirmou que o caso pode estar associado à síndrome nefroneural provocado pela intoxicação. As outras três vítimas fatais são do sexo masculino e vieram a óbito em 7, 15 e 16 de janeiro, em Juiz de Fora e Belo Horizonte, respectivamente.

Outros 14 pacientes continuam internados em estabelecimentos de saúde mineiros. Dos 18 casos registrados até hoje, apenas quatro já têm laudos atestando a presença de dietilenoglicol no sangue, incluído o homem que faleceu no último dia 7. Doze das vítimas residem ou residiam em Belo Horizonte e seis moram ou moravam em Nova Lima, Pompéu, São João Del Rei, São Lourenço, Ubá e Viçosa.

Todas as pessoas internadas devido à suspeita de terem desenvolvido a síndrome nefroneural apresentaram sintomas semelhantes – insuficiência renal aguda de evolução rápida (ou seja, que levou a pessoa a ser internada em até 72 horas após o surgimento dos primeiros sintomas) e alterações neurológicas centrais e periféricas que podem ter provocado paralisia facial, embaçamento ou perda da visão, alteração sensório, paralisia, entre outros sintomas.

Em nota, a Backer diz que contribui com as autoridades sem restrições e reforça que é a principal interessada na apuração e elucidação dos fatos.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia

Continue lendo

Notícias

Bombeiros de Manhuaçu resgatam cão preso em rochedo em Abre Campo

ABRE CAMPO (MG) – O Corpo de Bombeiros de Manhuaçu resgatou um cachorro que ficou preso num rochedo numa montanha no córrego Boa Vista, em Abre Campo, durante a tarde desta quinta-feira, 16/01.

Vinicius Silva

Publicado

em

17/01/2020 – Atualizado em 17/01/2020 13h3733

ABRE CAMPO (MG) – O Corpo de Bombeiros de Manhuaçu resgatou um cachorro que ficou preso num rochedo numa montanha no córrego Boa Vista, em Abre Campo, durante a tarde desta quinta-feira, 16/01.

Os bombeiros foram acionados depois de dois dias que o animal estava preso e várias tentativas sem sucesso dos moradores. Preocupados com o animal, moradores pediram ajuda para o resgate.

O cachorro ficou preso em meio às rochas durante uma queda no local. Após uma avaliação do quadro, os militares da Companhia do Corpo de Bombeiros de Manhuaçu fizeram alguns procedimentos de cortes na rocha e conseguiram acesso ao local para a retirada do cão.

A operação de resgate durou cerca de duas horas. Ao final, os Sargentos Albuquerque e César devolveram o cão ao seu dono.

Carlos Henrique Cruz – [email protected]

Fonte: https://www.portalcaparao.com.br/

Continue lendo
Publicidade

Facebook

Siga-nos

Mais lidas