Connect with us

Tecnologia

Estudo aponta que núcleo da Terra teria invertido sentido de rotação

Avatar photo

Publicado

em

O núcleo da Terra, uma esfera quente do tamanho de Plutão, teria invertido o sentido da sua rotação, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira (23).

Este “planeta dentro do planeta”, a cerca de 5 mil km da superfície e constituído essencialmente de ferro, parou de rodar e estaria, no momento, fazendo o movimento para o lado contrário, sugere o estudo divulgado pelo Nature Geoscience.

O mecanismo exato de rotação desta esfera, livre de movimento uma vez que flutua no líquido do núcleo externo, permanece difícil de decifrar. O pouco que se sabe é baseado em análises das ondas sísmicas, provocadas por terremotos, quando passam pelo centro do planeta.

Ao analisar os dados das ondas sísmicas nas últimas seis décadas, Xiaodong Song y Yi Yang, da Universidade de Pequim, concluíram que a rotação do núcleo “quase parou por volta de 2009 e depois girou na direção oposta”.

“Acreditamos que o núcleo central está, em relação à superfície da Terra, girando em uma direção e depois na outra, como um balanço”, disseram à AFP.

“Um ciclo completo deste movimento dura em torno de sete décadas”, o que significa que muda de direção aproximadamente a cada 35 anos, acrescentaram os pesquisadores.

A última mudança de rotação, anterior a esta de 2009, aconteceu no início dos anos 1970. E a próxima ocorrerá em meados da década de 2040, completando o ciclo, segundo os cientistas chineses.

Esse movimento se ajusta, aproximadamente, às mudanças na duração do dia, variações mínimas no tempo exato que a Terra precisa para efetuar uma rotação em seu próprio eixo, acrescentam.

Até hoje, existem poucas indicações sobre a influência desta rotação na superfície terrestre. No entanto, os dois autores garantem estar convencidos de que existem ligações físicas entre todas as camadas que compõem a Terra.

© Agence France-Presse

Fonte: uol.com.br

Tecnologia

Senador dos EUA pede que Apple e Google tirem TikTok de lojas de aplicativos – 02/02/2023

Avatar photo

Publicado

em

WASHINGTON (Reuters) – O TikTok, da chinesa ByteDance, deve ser removido das lojas de aplicativos administradas por Apple e Google, porque o aplicativo de vídeos curtos representa um risco à segurança nacional, disse o senador democrata Michael Bennet, em uma carta.

O aplicativo, que o Congresso dos Estados Unidos já baniu dos dispositivos do governo federal, tem sido alvo de críticas crescentes por causa de preocupações de que o governo da China possa usá-lo para colher dados sobre norte-americanos ou promover interesses chineses.

“Nenhuma empresa sujeita aos ditames do Partido Comunista Chinês deve ter o poder de acumular dados tão extensos sobre o povo norte-americano ou selecionar conteúdo para quase um terço de nossa população”, escreveu Bennet na carta ao presidente-executivo da Alphabet, Sundar Pichai, e ao presidente-executivo da Apple, Tim Cook.

“Dados esses riscos, peço que removam o TikTok de suas respectivas lojas de aplicativos imediatamente”, escreveu ele.

Antes da carta de Bennet, os republicanos lideravam em grande parte ataques ao TikTok e às preocupações de segurança nacional, embora o senador democrata Dick Durbin já exortasse os americanos a pararem de usar o aplicativo.

Na Câmara, que agora está nas mãos dos republicanos, o Comitê de Relações Exteriores planeja votar este mês um projeto de lei que visa bloquear o uso do TikTok nos Estados Unidos.

Em 2020, o então presidente norte-americano Donald Trump tentou impedir que novos usuários baixassem o aplicativo e proibiu outras transações que efetivamente impediriam o uso do TikTok nos Estados Unidos, mas a ação foi rejeitada pelos tribunais.

Por seu lado, a empresa diz que o governo da China não pode acessar os dados pessoais dos cidadãos dos Estados Unidos ou manipular o conteúdo do aplicativo.

O presidente-executivo do TikTok, Shou Zi Chew, deve comparecer ao Comitê de Energia e Comércio da Câmara dos Estados Unidos em março.

(Por Diane Bartz)

Fonte: uol.com.br

Continue lendo

Tecnologia

Ações da Meta sobem quando Zuckerberg inicia o ‘Ano de Eficiência’

Avatar photo

Publicado

em

O CEO da Meta Platforms Inc., Mark Zuckerberg, deu um novo tom aos investidores na quarta-feira: a gigante da mídia social será mais enxuta, mais eficiente e mais decisiva, com uma grande ajuda da inteligência artificial.

As ações da empresa subiram mais de 20% no final do pregão sobre a receita do quarto trimestre que superou as expectativas. Zuckerberg, que passou o ano passado prometendo um futuro distante em um mundo digital chamado metaverso, na quarta-feira estava mais focado em problemas imediatos, como enviar aos usuários os vídeos mais relevantes no momento certo e, finalmente, obter uma receita significativa com produtos de mensagens. . Ele chamou 2023 de “Ano da Eficiência”.

“Estamos trabalhando para achatar nossa estrutura organizacional e remover algumas camadas de gerenciamento intermediário para tomar decisões mais rapidamente, além de implantar ferramentas de IA para ajudar nossos engenheiros a serem mais produtivos”, disse Zuckerberg em uma teleconferência com investidores. “Haverá mais coisas que podemos fazer para melhorar nossa produtividade, velocidade e estrutura de custos.”

Zuckerberg disse que a empresa está usando IA para melhorar a maneira como recomenda conteúdo – uma estratégia para tornar a plataforma mais atraente para usuários e anunciantes. A Meta ainda sofre com a queda na demanda por anúncios digitais, que compõem a grande maioria de suas vendas, especialmente de clientes de finanças e tecnologia. Mas a empresa também apontou para alguns setores, incluindo saúde e viagens, onde as empresas estão gastando mais.

As vendas do quarto trimestre caíram 4%, para US$ 32,2 bilhões, o terceiro período consecutivo de quedas. Mesmo assim, o total superou as estimativas dos analistas, e a Meta projetou uma receita de US$ 26 bilhões a US$ 28,5 bilhões para o primeiro trimestre, em linha com uma projeção média de US$ 27,3 bilhões. Os analistas estão prevendo que a Meta retornará ao crescimento após o período atual.

A Snap Inc., controladora do aplicativo rival de mídia social Snapchat, apresentou uma perspectiva menos otimista na terça-feira, derrubando suas ações em 10%. A Snap disse que espera que as vendas caiam no período atual, com o CEO Evan Spiegel comentando que a queda nos anúncios parece estar chegando ao fundo do poço. “A demanda por publicidade não melhorou muito, mas também não piorou significativamente”, disse Spiegel em uma teleconferência.

A Meta, cujas ações subiram 27% até agora este ano, está se recuperando após o pior ano para suas ações na história. A empresa enfrentou um declínio na demanda de anunciantes devido à fraqueza da economia em geral, bem como a uma mudança nas regras de privacidade do iPhone da Apple Inc., o que tornou mais difícil para a Meta oferecer anúncios direcionados. A Meta cortou 11.000 empregos, ou 13% da força de trabalho, em novembro, em sua primeira grande demissão.

Esses cortes ocorreram durante um trimestre que, de outra forma, foi uma melhoria para a empresa. O Facebook, principal rede social da Meta, agora tem mais de 2 bilhões de usuários diários, mais de 70 milhões em relação ao ano anterior.

A empresa também aumentou sua autorização de recompra de ações em US$ 40 bilhões, somando-se aos US$ 10,9 bilhões restantes de programas de recompra anteriores. No quarto trimestre, a Meta registrou custos de reestruturação de US$ 4,2 bilhões relacionados aos cortes de empregos.

Zuckerberg gastou dezenas de bilhões de dólares em um esforço para construir o metaverso – um mundo digital onde as pessoas podem trabalhar e se divertir. Esses esforços ainda estão em seus estágios iniciais, o que significa que grande parte do investimento não está gerando retornos imediatos.

Ainda assim, a empresa com sede em Menlo Park, na Califórnia, disse que as despesas de 2023 serão de US$ 89 bilhões a US$ 95 bilhões – menos do que a Meta previu anteriormente. Isso poderia ajudar a amenizar as preocupações dos investidores de que a empresa está gastando demais em suas ambições de realidade virtual.

As despesas de capital no último trimestre subiram para US$ 32 bilhões. No quarto trimestre de 2021, por outro lado, os gastos de capital foram de US$ 5,54 bilhões.


Fonte: tech.hindustantimes.com

Continue lendo

Tecnologia

Galaxy S23 x iPhone 14: em briga clássica, qual top se sai melhor? – 02/02/2023

Avatar photo

Publicado

em

Não há disputa mais tradicional no mercado de smartphones do que iPhone contra Galaxy S. É um embate que se arrasta há muito tempo e que, ao menos duas vezes por ano – quando a Apple lança um novo iPhone e quando a Samsung apresenta a nova versão do Galaxy S -, provoca discussões entre os fãs mais apaixonados.

Ambas as linhas reúnem os smartphones mais desejados dentre os que ocupam o topo desse segmento. E, agora, a Samsung apresentou o seu novo competidor nessa eterna briga: o Galaxy S23, em três versões.

E não vamos perder tempo: aqui, colocaremos frente a frente a ficha técnica do Galaxy S23 com a do iPhone 14, já que ambos ocupam o mesmo posto de porta de entrada para suas respectivas linhas.

iPhone 14

  • Altura: 146,7 mm
  • Largura: 71,5 mm
  • Espessura: 7,8 mm
  • Peso: 172 g

Samsung Galaxy S23

  • Altura: 146,3 mm
  • Largura: 70,9 mm
  • Espessura: 7,6 mm
  • Peso: 168 g

Nada mais parecido com um iPhone 14 do que um Galaxy S23 – e vice-versa. Isso, claro, vale quando comparamos as dimensões e o peso dos dois aparelhos. Quando existentes, as diferenças não ultrapassam um milímetro ou dez gramas.

A construção também segue a mesma receita nos dois modelos: vidro na frente, vidro na traseira e estrutura metálica. Salvo raríssimas exceções, é o que temos visto no segmento.

O visual de ambos traz muitas semelhanças com o visto em suas gerações anteriores. No geral, são aparelhos que apostam na continuidade, não na ruptura, assim como não trazem nenhuma característica de aparência que os torne exóticos ou algo do tipo.

VEREDITO: empate.

iPhone 14

  • Super Retina XDR OLED de 6,1 polegadas (15,49 cm)
  • Resolução Full HD+ de 1170 x 2532 pixels
  • Taxa de atualização: 60 Hz

Samsung Galaxy S23

  • Amoled Dinâmico de 6,1 polegadas (15,49 cm)
  • Resolução Full HD+ de 1080 x 2340 pixels
  • Taxa de atualização: 120 Hz

Nem iPhone 14 nem Galaxy S23 se enquadram na categoria “smartphone telão”. Ainda assim, há espaço suficiente para assistir a vídeos sem dificuldades e com qualidade excelente.

O iPhone leva uma leve vantagem em resolução, mas, aqui, o Galaxy S23 se sobressai ao contar com uma taxa de atualização que é o dobro da vista no aparelho da Apple. Isso fará mais diferença na hora de assistir a vídeos e jogar, já que quanto maior essa taxa for, mais fluidez terão as imagens em movimento mostradas.

VEREDITO: vitória do Samsung Galaxy S23.

iPhone 14

Samsung Galaxy S23

Nenhum dos dois traz uma bateria com capacidade digna de nota, ficando abaixo da vista em celulares intermediários, inclusive.

Mesmo que a dobradinha entre software e hardware do iPhone seja capaz de gerenciar bem a energia disponível, a bateria mais ampla do Galaxy S23 não pode ser ignorada e, por si só, configura uma vantagem.

Além disso, o celular da Samsung traz carregador na caixa — e um modelo rápido, de 25W —, algo que o iPhone não tem.

VEREDITO: vitória do Samsung Galaxy S23.

iPhone 14

  • Traseira: grande angular de 12 MP e ultra-angular de 12 MP
  • Frontal: grande angular de 12 MP e sensor biométrico

Samsung Galaxy S23

  • Traseira: grande angular de 50 MP, ultra-angular de 12 MP e teleobjetiva de 10 MP
  • Frontal: grande angular de 12 MP

TRASEIRA

Seja com o Galaxy S23 ou com o iPhone 14, as fotos que você tirar com o celular ficarão excelentes. São dois aparelhos que, tradicionalmente, se saem bem nesse quesito.

Dito isso, o aparelho da Samsung se destaca ao oferecer uma câmera traseira mais versátil, já que ela conta com teleobjetiva – o que ajuda em fotos a longa distância. O iPhone, por sua vez, segue na configuração de câmera dupla em sua versão mais simples, o que faz que ele seja mais limitado a cliques de média e curta distância.

VEREDITO: vitória do Samsung Galaxy S23.

FRONTAL

Dizer que os aparelhos empatam nesse quesito não estaria de todo errado, porém a vantagem aqui é do iPhone por um motivo: o obturador de sua lente tem uma abertura maior.

Com isso, ele tende a fazer fotos melhores com essa câmera em situações de baixa iluminação.

VEREDITO: vitória do iPhone 14.

iPhone 14

  • Processador: Apple A15 Bionic (hexa-core, 3,23 GHz)
  • Memória RAM: 6 GB
  • Armazenamento: 128, 256 ou 512 GB

Samsung Galaxy S23

  • Processador: Snapdragon 8 Gen 2 (octa-core, 3,2 GHz)
  • Memória RAM: 8 GB
  • Armazenamento: 128 ou 256 GB

A Qualcomm desenvolveu uma versão específica do Snapdragon 8 Gen 2 para o Galaxy S23 e, ao menos em frequência máxima, esse processador empata com o A15 Bionic do iPhone 14.

Por se tratarem de plataformas distintas – e com funcionamento e gerenciamento de recursos bem diferentes -, a única forma de se ter uma comparação mais realista seria por meio de um teste de benchmark. Como o S23 acabou de ser lançado, ainda não há qualquer resultado nesse sentido.

No entanto, historicamente os iPhone apresentam desempenho superior e é bem pouco provável que isso não se repita neste ano. Por ora, no entanto, vale decretar um empate aqui por um motivo: o usuário comum de ambos os aparelhos dificilmente não ficará satisfeito seja lá qual for a sua escolha.

VEREDITO: empate.

Nenhum deles apresenta qualquer recurso realmente inovador. Os dois têm suporte a redes 5G, trazem recursos de pagamento e, enquanto o iPhone tem um sistema que permite enviar um sinal de emergência via satélite, o Samsung pode ser conectado a telas externas para ser usado como uma espécie de notebook.

VEREDITO: empate

iPhone 14: a partir de R$ 7.599 (preço loja Apple)
Samsung Galaxy S23: a partir de R$ 5.999

Por mais que falemos aqui de aparelhos top de linha, o preço é algo que deve, sim, ser levado em conta.

A julgar pelos valores oficiais, o Galaxy S23 é um negócio mais atrativo por ser um celular que supera o iPhone 14 em diversos quesitos e, ainda assim, custa R$ 2.000 a menos.

No “mundo real”, porém, não é difícil encontrar o iPhone 14 sendo vendido por cerca de R$ 5.800 e vários varejistas de renome. Isso, por si só, anula a vantagem de preço do Galaxy S23.

É notório que muitos donos de Galaxy S ou de iPhone dificilmente “viram a casaca”, mas exceção feita ao desempenho bruto (que ainda é, de certa forma, uma incógnita) e à câmera de selfie, o aparelho da Samsung leva vantagem em quesitos relevantes, como a bateria, a câmera principal e a tela. É, portanto, um smartphone mais completo do que o iPhone 14.

RESULTADO FINAL: vitória do Samsung Galaxy S23.

Fonte: uol.com.br

Continue lendo
Publicidade


Mais lidas