Connect with us

Mundo

Entenda como o tempo quente do Catar pode estar afetando a saúde jogadores da seleção brasileira

Avatar photo

Publicado

em

Infectologista Luana Araújo explica que a nossa mucosa respiratória é mais sensível às mudanças de temperatura e de umidade. Infectologista explica impacto do tempo quente para os atletas
Os jogadores da seleção brasileira têm apresentado sintomas gripais no Catar. Uma das razões apontadas é o choque térmico enfrentado recorrentemente pelos brasileiros no país.
Em diversos momentos as pessoas deixam temperaturas altas das ruas do Oriente Médio e entram em ambientes gelados, refrigerados com ar-condicionado.
Em entrevista à GloboNews (VEJA VÍDEO ACIMA), a infectologista Luana Araújo explicou que alguns pontos no organismo são mais sensíveis a essas mudanças de temperatura e de umidade. A mucosa respiratória é uma delas.
“A nossa mucosa respiratória, quando em contato com o ar mais frio e uma umidade mais baixa, não consegue funcionar da melhor forma, fica mais vulnerável a agentes externos e, com isso, fica mais fácil de um microrganismo invadir essa mucosa e causar uma infecção”, explica a infectologista.
Segundo Luana, as pessoas que estão mais submetidas ao ar-condicionado potente acabam tendo uma maior chance de desenvolver quadros infecciosos respiratórios, já que estão mais frágeis.
Fonte: g1.globo.com

Mundo

Ministério da Justiça anuncia ação para evitar falta de abrigo a afegãos no Brasil; mais de 3 mil entraram no país

Avatar photo

Publicado

em


Equipe liderada pela presidente do Comitê Nacional para os Refugiados visitou abrigos que acolhem os refugiados em Guarulhos e se reuniu com autoridades locais. Dados do Ministério da Justiça apontam que o Brasil já expediu, de 1º de setembro de 2021 a 6 de dezembro de 2022, 6.302 vistos aos afegãos. Refugiados afegãos no Aeroporto de Guarulhos
Reprodução/TV Globo/Profissão Repórter
Para evitar que centenas de afegãos fiquem acampados no Aeroporto Internacional de Guarulhos, assim como foi registrado em 2022, o Ministério da Justiça afirmou que uma nova comissão vai acompanhar de perto a situação dos imigrantes que entram no Brasil para fugirem do regime Talibã.
De acordo com o Ministério, a presidente do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), Sheila de Carvalho, passou a liderar a missão de fluxo migratório dos afegãos no aeroporto de Guarulhos com os coordenadores Laís Nitta e Pedro Cícero.
O grupo, além de visitar o aeroporto, fará reuniões com secretários da Prefeitura de Guarulhos e da cidade de São Paulo e, também, do governo estadual paulista.
Em Guarulhos, a comissão já tem como integrantes o coordenador substituto de políticas de refúgio e a chefe do núcleo regional da CG-Conare em SP.
“Serão visitados diversos abrigos municipais e estaduais. A equipe está sendo acompanhada pelo escritório do Acnur [A Agência da ONU para Refugiados] na cidade de São Paulo. A situação no aeroporto está estabilizada, sendo que aproximadamente 20 pessoas aguardam vagas em abrigos”, afirmou o Ministério da Justiça, em nota.
Presidente do Conare visita afegãos no aeroporto internacional de Guarulhos e promete situação definitiva para a crise humanitária
Em entrevista à TV Globo, Sheila de Carvalho ressaltou que o governo federal vai traçar um plano para resolver o problema em definitivo. Ela visitou o aeroporto e abrigos na segunda-feira (30) e terça-feira (31).
“Não adianta a gente buscar por soluções temporárias. A gente tem que buscar políticas públicas para atender diferentes fluxos migratórios. E a lei de migração de 2017 estabelece a necessidade de criação dessa política nacional e isso não foi feito até agora. Essa é a prioridade da nossa gestão”.
O g1 acompanha desde o ano passado a chegada dessas famílias afegãs, que começaram a entrar no país quando as tropas americanas encerraram os 20 anos de intervenção militar no Afeganistão e o grupo extremista Talibã voltou ao poder.
O governo brasileiro publicou em setembro de 2021 uma portaria estabelecendo a concessão de visto temporário, para fins de acolhida humanitária, a cidadãos afegãos. Um ano após a portaria, a reportagem do g1 conversou com famílias que tinham acabado de entrar no Brasil em busca de liberdade e recomeço (veja vídeo e fotos mais abaixo).
Leia também:
Brasil recebeu 2,8 mil afegãos de janeiro a setembro de 2022; maioria é homem
Vídeos mostram corredores lotados de afegãos acampados em 2022
Agora, com cerca de 20 afegãos à espera de acolhimento, a ideia do Ministério da Justiça, através do Comitê Nacional para os Refugiados, é que vagas sejam abertas com mais frequência e que novos imigrantes, ao chegarem ao Brasil, não fiquem tanto tempo no aeroporto.
Dados do Ministério da Justiça apontam que o Brasil já expediu, entre 1º de setembro de 2021 e 6 de dezembro de 2022, 6.302 vistos humanitários aos afegãos. Desses, entre janeiro e outubro de 2022, 3.367 chegaram ao Brasil, sendo o Aeroporto Internacional de Guarulhos a porta de entrada.
O Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) atendeu 1.035 pessoas afegãs. A maioria é composta por homens entre 18 e 59 anos (490) e mulheres na mesma faixa etária (248). Dessas 738 pessoas, 50,4% possuem formação universitária e 6,5% são pós-graduadas.
Afegãos no Aeroporto de Guarulhos em outubro de 2022
Arquivo Pessoal/Swany Zenobini
A ativista Swany Zenobini, do Coletivo Frente Afegã e que está acompanhando a situação desde agosto de 2022, afirma que a comissão é necessária, mas “só será eficaz se ela cumprir seu objetivo principal, que é fiscalizar e dar dignidade”.
“Isso inclui caminhar próximo a todos os atores que estão no aeroporto de Guarulhos ajudando os afegãos, como nós da sociedade civil e outros, até fiscalizar e cobrar melhorias nos equipamentos de acolhimento a essas vítimas de guerra. Precisamos de mudanças estruturais que envolva a criação de políticas públicas e o fortalecimento das políticas já existentes em prol dos migrantes”, diz.
“A sensação que dá é que o Brasil nunca está preparado para a próxima crise migratória, mesmo sabendo que somos um país procurado por muitos em fuga. Tivemos a crise migratória dos sírios, venezuelanos, haitianos, espero que agora a gente se prepare como nação para a próxima crise migratória que iremos receber. A questão não é mais se vamos receber e, sim, quando vamos receber”, complementa.
O que dizem as prefeituras?
Afegãos tentam retomar a vida no Brasil; língua e falta de documentos são principais obstáculos
A prefeitura de Guarulhos ressaltou não é responsável pela acolhida dos afegãos, mas desde o aumento da chegada dos refugiados ao Brasil “tem trabalhado de forma emergencial para conseguir lidar com a demanda desta crise humanitária”.
“Enquanto os refugiados estão no aeroporto, a Prefeitura de Guarulhos tem garantido a segurança alimentar dos mesmos, oferecendo café da manhã, almoço e jantar, além de entregar água e cobertores. As equipes do posto avançado estão à disposição dos afegãos para atender quaisquer necessidades emergenciais que surjam, inclusive de saúde”.
Atualmente, a cidade tem 48 vagas de acolhimento exclusivas para migrantes e refugiados e a previsão que esse número chegue a 177 em 2023, diz a prefeitura.
A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social da cidade de São Paulo afirmou, em nota, que realizou uma reunião entre representantes da pasta e do Conare na tarde da última terça-feira (31), no Centro de Acolhida Especial Família ‘Ebenezer’, que está recebendo imigrantes na Penha, zona leste da cidade.
“A Coordenação de Políticas para Imigrantes e Promoção do Trabalho Decente, da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), responsável por articular a Política Municipal para a População Imigrante de São Paulo também esteve presente”, informou..
O CAE Família ‘Ebenezer’ teve o seu serviço iniciado no dia 16 de setembro de 2022, quando 93 afegãos que estavam no Aeroporto Internacional de Guarulhos foram encaminhados para o local.
“Atualmente, 142 imigrantes estão no serviço e, na manhã desta quarta-feira (1º), outras seis famílias chegaram. O equipamento, administrado em parceria entre SMADS e uma Organização da Sociedade Civil (OSC), tem capacidade para acolher até 200 pessoas, a depender da composição familiar”.
A pasta ainda afirmou que mantém em sua rede de serviços o Centro de Referência e Atendimento para Imigrantes (CRAI) Oriana Jara e o CRAI Móvel. E que firmou parceria com a Organização da Sociedade Civil (OSC) Biblioteca Centro de Pesquisa América do Sul, Países Árabes e África (Bibliaspa) para a realização de projeto de acompanhamento e integração para mulheres afegãs.
Afegãos no Brasil
Afegãos no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos
Fábio Tito/g1
O Brasil passou a ser um dos principais destinos para os cidadãos do Afeganistão após o governo brasileiro publicar uma portaria em setembro de 2021 estabelecendo a concessão de visto temporário.
Quase 3 mil afegãos entraram no Brasil de janeiro a setembro de 2022, de acordo com um relatório elaborado pelo Observatório das Migrações Internacionais (OBMigra) a partir dos dados da Polícia Federal e repassado com exclusividade ao g1.
Os dados apontam que o país recebeu 2.842 imigrantes. Destes, 1846 são homens e 993 mulheres. Outros três imigrantes não houve a constatação de gênero. Além disso, a grande maioria que entrou no Brasil tem entre 25 e 40 anos. Há também 712 crianças de 0 a 15 anos.
Veja o perfil dos imigrantes:
Entrada de afegãos no Brasil de janeiro a setembro de 2022
Ainda conforme o relatório, dos 2,8 mil que entraram no país, 149 já saíram do Brasil e a maioria desse grupo tem entre 25 e 40 anos.
A ida massiva de imigrantes para o país da América do Sul ficou mais nítida depois que o Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, passou a ser uma espécie de acampamento para famílias afegãs que, em vez de terem acolhimento imediato, precisam esperar dias por vagas em abrigos (leia relatos abaixo).
Saída de afegãos do Brasil de janeiro a setembro de 2022
Dados do Ministério das Relações Exteriores apontam que, desde o início da concessão de visto humanitário, em setembro de 2021, até 7 de outubro de 2022, foram autorizados 6.299 vistos a afegãos.
E o número de afegãos que entraram no país pode até quadriplicar em 2023, o que preocupa órgãos como a Defensoria Pública da União e o Ministério Público Federal (MPF). Isso porque os municípios de Guarulhos e São Paulo, além do estado, não têm estrutura para abrigar todos os que chegam, e os saguões do aeroporto acabaram se tornando os lares dessas famílias.
Pessoas esperar do lado de fora do Aeroporto Internacional de Cabul, no Afeganistão, após Talibã tomar o poder
Reuters/Stringer
O MPF encaminhou um ofício no dia 10 de outubro para a Casa Civil da Presidência da República, questionando se a crise humanitária está sendo tratada pela União seja por meio de Termo de Colaboração, realizado nos moldes da Operação Acolhida e do Edital de Chamamento Público SNJ nº 02/2018, seja no âmbito do Comitê Federal de Assistência Emergencial (CFAE), ou por algum outro mecanismo de articulação.
Outros ofícios pedindo explicações e ações para evitar a crise humanitária foram encaminhados para: Assuntos de Migrações do Ministério da Cidadania, Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social do Município de Guarulhos, Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado de São Paulo e concessionária GRU Airport.
‘Isso é uma prisão’, diz funcionária do aeroporto de Guarulhos sobre acampamento improvisado de afegãos refugiados
A alta procura de afegãos nas embaixadas brasileiras em Teerã, no Irã, e Islamabad, no Paquistão, fez com que o Ministério das Relações Exteriores suspendesse temporariamente novos agendamentos nesses locais em 2022.
Na Embaixada do Brasil em Teerã, no Irã, por exemplo, foram agendados cerca de 7 mil pedidos para a concessão de visto entre novembro de 2021 e junho de 2022. As entrevistas ainda estão sendo feitas.
Além disso, há 825 pessoas aguardando para serem entrevistadas em Islamabad, Paquistão, até 11 de janeiro de 2023, segundo o Itamaraty.
Mulheres afegãs passam por um combatente do Talibã em Cabul, Afeganistão. As vidas de afegãs estão sendo destruídas pela repressão do Talibã a seus direitos básicos, informou a Anistia Internacional em um novo relatório publicado nesta quarta-feira, 27 de julho de 2022.
AP – Hussein Malla
Veja também:
Busca por liberdade e recomeço: afegãos relatam fuga do Talibã e tentativa de ‘nova vida’
‘Um ano de escuridão no Afeganistão’, diz Malala sobre poder do Talibã no país árabe
Na luta pela sobrevivência, crianças trabalham em fábricas de tijolos no Afeganistão
Em setembro do ano passado, a Defensoria Pública da União em SP recomendou, por meio de petição, que o Ministério retomasse o agendamento para vistos, alegando que, uma vez criada a norma para acolhida humanitária, é dever que o país ofereça a emissão de vistos.
No dia 27 de setembro, o Itamaraty respondeu a petição da Defensoria Pública sobre a suspensão e a reportagem do g1 teve acesso à resposta.
O órgão ressaltou que “a afirmação de que a sistemática de concessão de vistos adotada pelas embaixadas brasileiras inviabiliza a política humanitária não corresponde à realidade dos fatos”, já que o governo brasileiro autorizou a concessão de 6.299 vistos humanitários para os afegãos.
“As embaixadas em Teerã e Islamabad sãos as que mais concederam vistos a nacionais afegãos. Ademais, a Embaixada do Brasil em Teerã foi a que mais concedeu vistos quando comparada a toda a rede de postos brasileira, superando a produção de vistos de embaixadas e consulados brasileiros em países superpopulosos, como a Índia e a China”.
Meninos trabalham em fábrica de tijolos nos arredores de Cabul
Ebrahim Noroozi/ AP
O Ministério das Relações Exteriores ainda disse que, em relação às entrevistas para solicitação de visto, novos agendamentos são disponibilizados de acordo com a capacidade de processamento das embaixadas.
“A eventual suspensão temporária dos agendamentos, como foi o caso nas embaixadas em Teerã e Islamabad, recentemente, e a disponibilização de novas vagas são decididas com vistas a assegurar a eficiência e a continuidade da prestação dos serviços consulares. Informações sobre as entrevistas poderão ser requeridas diretamente pelos solicitantes junto às embaixadas autorizadas a conceder visto humanitário para afegãos”.
A luta das afegãs por liberdade
AFP/Wakil Kohsar
Ainda na reposta, o Itamaraty alegou que a decisão das embaixadas de liberação de novos agendamentos de entrevistas é fundamental para a consecução da política humanitária.
“Cada visto de acolhida humanitária requer, em média, horas de trabalho no posto, passando por diversas etapas, como checagem de documentação, agendamento, confirmação de entrevista, entrevista, processamento no sistema, realização de consultas pertinentes, autorização e impressão de visto”.
“No caso da embaixada do Brasil em Islamabad, etapa adicional é necessária, uma vez que devem ser realizadas gestões junto ao governo local a fim de viabilizar a vinda de nacionais afegãos ao Brasil. A mencionada embaixada deve preparar e tramitar pedido de autorização de embarque ao governo paquistanês, documento mandatório para qualquer cidadão afegão deixando o Paquistão. Neste momento, em Islamabad, há 825 pessoas com entrevista de visto para acolhida humanitária agendada até 11/01/2023”.
Afeganistão assolado pela fome
Reuters/Ali Khara
Já no caso da embaixada em Teerã, o Ministério afirmou que foram suspensos novos agendamentos para entrevistas até que os cerca de 7 mil pedidos de agendamento, acordados no período de 12 de novembro de 2021 a 12 de junho de 2022, fossem atendidos.
“As entrevistas nos postos nunca foram interrompidas. Por exemplo, em média são realizadas 50 entrevistas diariamente, na Embaixada do Brasil no Irã. Decisões de suspensão de entrevistas e a disponibilização de novos agendamentos são analisados caso a caso, de acordo com a realidade local, e com o objetivo de garantir a eficácia da política humanitária brasileira”, alegou o órgão à Defensoria Pública.
Bebês no chão
Crianças afegãs dormem no chão enquanto famílias esperam acolhimento no Brasil
Arquivo Pessoal/Swany Zenobini
Imagens feitas pela ativista Swany Zenobini mostram crianças e bebês dormindo no chão do aeroporto na noite do dia 9 de outubro de 2022 junto com suas famílias.
O saguão do terminal virou uma espécie de acampamento para os grupos, que colocam no local bagagens, roupas e colchões doados por voluntários.
“Quando vi a situação no aeroporto, a gente perdeu um pouco da esperança de conseguir algo. Não era para encontrar o povo sem assistência. Mas eu tenho ainda esperança no Brasil de poder trabalhar na minha área no jornalismo. Infelizmente, minha mãe e o meu pai estão no Afeganistão. Por isso, não posso me identificar. Porque, se localizam a minha família, podem oprimir”, disse um ex-apresentador afegão que decidiu morar em São Paulo com a mulher e as duas filhas.
Afegãos que fugiram do regime Talibã e chegaram no Brasil
Fábio Tito/g1
Outro afegão, de 30 anos, relatou ao g1 que era diretor de uma empresa comercial e decidiu vir para o Brasil no começo de setembro depois de ficar oito meses no Irã. Ele também preferiu ter a identidade preservada.
“Os iranianos discriminam diretamente o povo do Afeganistão. Pesquisei na internet que seria uma boa opção vir para o Brasil. O custo [da viagem] saiu US$ 2 mil. Agora, não tenho mais como sair daqui. O dinheiro que a gente investiu foi para vir para cá. Não tenho como ir para outro lugar. Pedimos que o governo brasileiro dê um lugar decente para morar, ensinem português. A gente mesmo vai procurar trabalho. A gente não está em busca de benefícios gratuitos. Precisamos de um lugar decente para viver e aprender o idioma para trabalhar”, relatou, antes de ser informado que seria encaminhado para o Centro de Acolhida.
Afegãos acampados em saguão do aeroporto de Guarulhos
Arquivo Pessoal/Swany Zenobini
FOTOS: g1 esteve no Aeroporto de Guarulhos no dia 16 de setembro de 2022
Afegãos contam sobre fuga do regime Talibã e vinda ao Brasil
Fábio Tito/g1
Afegão vai para o Brasil tentar nova vida com a família
Fábio Tito/g1
Famílias afegãs no Aeroporto de Guarulhos
Fábio Tito/g1
Famílias afegãs no Aeroporto de Guarulhos
Fábio Tito/g1
Fonte: g1.globo.com

Continue lendo

Mundo

Glória Maria cobriu momentos históricos do mundo; relembre

Avatar photo

Publicado

em


Jornalista testemunhou eventos históricos, como a posse de Jimmy Carter nos EUA, a guerra das Malvinas e a invasão da Embaixada do Japão no Peru por um grupo terrorista. Ela foi a primeira mulher brasileira a cobrir um conflito armado no exterior. Glória Maria cobriu a posse de Jimmy Carter em Washington, em 1977
A jornalista Glória Maria, ícone da TV que morreu nesta quinta-feira (2), visitou 160 países e, em muitos deles, participou de coberturas de momentos históricos, entre guerras, conflitos e posses presidenciais.
Relembre algumas delas:
Posse de Jimmy Carter (1977)
A jornalista Glória Maria durante a cobertura da posse do ex-presidente dos EUA Jimmy Carter, em 1977.
TV Globo
Apenas seis anos após sua primeira reportagem, Glória Maria foi a Washington para cobrir a histórica posse do então presidente dos Estados Unidos, Jimmy Carter, cuja gestão ficou marcada pela defesa dos direitos humanos.
Carter recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2002.
Guerra das Malvinas (1982)
Com a cobertura do conflito armando entre Argentina e Inglaterra pelo controle das Malvinas, Gloria Maria se tornou foi a primeira jornalista mulher a cobrir uma guerra.
Ela testemunhou e reportou o conflito armado durante um mês e meio. Ao vivo, Gloria Maria noticiou o cessar-fogo do conflito. Recentemente, em entrevista ao programa “Encontro”, da TV Globo, ela deu detalhes da cobertura.
Gloria Maria na cobertura da guerra das Malvinas, entre Argentina e Inglaterra, em 1982.
TV Globo
“Era uma guerra diferente. Não era uma guerra com tiros, era com minas. Eu nunca tinha coberto guerra, mas eu queria ir. Achava que era uma coisa importante para mim. Depois me arrependi, porque eu não dormia, esperando ou temendo que eu tivesse que ir para aquele terreno minado”, disse.
“Foi uma experiência única, que eu não repito, mas que eu adorei ter tido. Mudou minha visão da vida, do mundo, porque na guerra as pessoas estão em uma disputa de poder insano e perdem a capacidade de raciocinar”.
Durante a entrevista no programa, em 2022, ela disse que “tem momentos em que eu tenho vontade” de ir cobrir a guerra na Ucrânia.
“Acho que enquanto eu for jornalista ainda vou ter essa vontade de estar onde está o acontecimento”.
LEIA MAIS:
Glória Maria com Michael Jackson, Freddie Mercury e Madonna: relembre entrevistas com astros mundiais
De erva jamaicana a lago gelado: bom humor era uma de suas marcas
Invasão da embaixada japonesa do Peru por um grupo terrorista (1996)
Em 1996, o grupo terrorista peruano Tupac Amaru invadiu a embaixada do Japão no Peru, onde uma festa para celebrar o aniversário do imperador do Japão reunia centenas de diplomatas do mundo inteiro. O grupo fez 400 pessoas reféns, entre elas o então embaixador brasileiro no país.
Em uma entrevista no programa “Roda Viva”, da TV Cultura, Gloria Maria relatou ter achado a cobertura muito mais difícil que a da guerra, por envolver um grupo terrorista.
Parte dos reféns ficou mais de 120 dias em cativeiro, quando militares peruanos invadiram a Embaixada. Um dos reféns, um juiz da Suprema Corte peruana, morreu no embate. Os guerrilheiros foram mortos na hora.
Os terroristas pediam a libertação de integrantes do Tupac Amaru presos em diversos países do mundo.
Jogos Olímpicos de Los Angeles (1984) e Atlanta (1996)
Em sua primeira cobertura de Jogos Olímpicos, Gloria Maria acompanhou delegações brasileiras nas Olimpíadas de 1984, que aconteceram em Los Angeles. Ela reportou a competição ao lado de Francisco José, Isabela Scalabrini, Lucas Mendes, Luiz Fernando Lima e Reginaldo Leme.
Ela voltou a cobrir os Jogos Olímpicos em 1996, em Atlanta, e em 2016, no Rio.
Copa do Mundo na França (1998)
Ainda na cobertura esportiva, a jornalista foi enviada também à França, em 1998, para cobrir a Copa do Mundo naquele ano.
Transiberiana com Paulo Coelho (2006)
Fantástico: Série “Sibéria, a missão de um mago” (2006)
Em maio de 2006, Gloria Maria acompanhou o escritor Paulo Coelho no trajeto da famosa ferrovia Transiberiana – que conecta a Rússia de ponta a ponta – até Moscou.
O escritor tinha um vagão só para ele. Já Glória e o repórter cinematográfico Ronaldo Cordeiro viajaram como passageiros comuns.
“Paulo era uma celebridade, andava até com batedores. Eu e Ronaldo carregávamos aquelas caixas de metal pesadas, com todo o equipamento. O banho era na pia; só no terceiro dia descobrimos que pagando, a gente podia tomar banho no trem. Foi um trabalho de cão. Mas valeu a pena”, relatou a jornalista após a viagem.
A cobertura rendeu uma série de reportagens para o Fantástico.
Glória Maria acompanhou a viagem de Paulo Coelho à Rússia, a bordo da Transiberiana, em matéria para o Fantástico em 2006
Reprodução/TV Globo
Fonte: g1.globo.com

Continue lendo

Mundo

Daniel Alves: Juíza vê indícios 'mais que suficientes' de estupro, diz jornal

Avatar photo

Publicado

em

Magistrada escreveu observação em auto de investigação do caso, segundo ‘El Períodico’. Advogado de jogador brasileiro, acusado de agressão sexual contra uma jovem em uma boate de Barcelona, se diz otimista com recurso. A juíza espanhola Anna Marín, responsável por avaliar a acusação de que o jogador brasileiro Daniel Alves estuprou uma jovem de 23 anos no banheiro de uma boate em Barcelona, na Espanha, vê indícios “mais que suficientes” de que o crime foi cometido, segundo o auto de investigação ao que o jornal catalão “El Periódico” teve acesso.
A afirmação é, por enquanto, apenas uma observação no texto de Marín, responsável apenas por avaliar se o caso deve ir a julgamento – na Espanha, a Justiça também tem a competência de investigar uma denúncia antes de julgá-la.
LEIA MAIS:
Defesa de Daniel Alves tenta levantar dúvidas sobre relato de vítima
Entenda o caso
A denúncia foi feita por uma jovem espanhola de 23 anos, que não teve a identidade divulgada. A queixa foi feita em 2 de janeiro, quando as investigações começaram.
A suposta vítima afirma que:
Foi seguida por Daniel Alves ao ir ao banheiro, que é unissex, por volta das 4h da manhã
Foi forçada por Daniel Alves a sentar no seu colo;
Ao resistir, foi jogada no chão pelo jogador, esbofeteada e forçada a fazer sexo oral nele;
Imagens da boate mostram que a mulher ficou cerca de 14 minutos no banheiro, enquanto Daniel Alves ficou 16.
Segundo a imprensa espanhola, a jovem chamou o segurança da boate, foi ao hospital, e os exames confirmaram o estupro.
Fonte: g1.globo.com

Continue lendo
Publicidade


Mais lidas